Seneme e PC renunciam – 2014

Seneme aceita cargo na Conmebol

06/03/2014, Diário Lance

Depois de atuar na final do primeiro turno do Paraense, entre Remo e Paysandu, o árbitro paulista Wilson Luiz Seneme resolveu se aposentar da arbitragem. Aos 44 anos, ele deixa a função dentro dos gramados para ser o representante brasileiro na Comissão de Arbitragem da Conmebol, após indicação do presidente da CBF, José Maria Marin.

O agora ex-árbitro enviou uma carta confirmando a decisão à CBF e Federação Paulista. Com a retirada de Seneme, que era do quadro da Fifa, abre-se uma corrida pelo escudo da entidade. A CBF vai definir o novo ocupante da vaga, que pertence a árbitros filiados à Federação Paulista. Dois aspirantes são cotados para a vaga: Luiz Flávio de Oliveira e Guilherme Ceretta.

O efeito cascata, então, deve abrir outra vaga de aspirante no quadro da CBF para outro árbitro paulistas. O substituto está sendo analisado pelo presidente da comissão local, Marcos Marinho.

Novo aposentado, Wilson Seneme já vinha atuando como instrutor de árbitros da CBF. Ele, inclusive, estará no curso que começa a ser ministrado pela entidade nesta terça. Na Conmebol, Seneme ocupará a vaga deixada por Salvio Spínola.

Semene já vinha sofrendo com problemas físicos, como o que o tirou do caminho para a Copa-2014. Com uma lesão no joelho, ele não conseguiu ser aprovado nos exames da FIFA e deu espaço, ocupado por Sandro Meira Ricci.

Fonte: Lancenet

‘Aposentado’, Paulo Cesar Oliveira vira comentaristaEx-árbitro se retirou da profissão na última quarta-feira

Agência Estado


25 Maio 2014 | 20h00

SÃO PAULO – Um dos mais destacados árbitros brasileiros do momento, Paulo Cesar de Oliveira viveu uma semana cheia. Na última quarta-feira, anunciou a sua aposentadoria da carreira na arbitragem. E, neste domingo, iniciou uma nova com a estreia como comentarista na Rede Globo, no jogo entre Sport e Corinthians, no Recife, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro.

Com 40 anos, Paulo Cesar de Oliveira nunca teve a chance de apitar uma partida de Copa do Mundo, mesmo sendo do quadro de árbitros da Fifa há um bom tempo. Para o Mundial no Brasil, o escolhido foi Sandro Meia Ricci e Paulo Cesar ainda teria uma oportunidade daqui quatro anos, na Rússia, já que a idade limite para a profissão é de 45 anos.

No entanto, ele resolveu antecipar a aposentadoria. “Foi uma trajetória vencedora, onde consegui galgar tudo aquilo que sonhava na minha carreira. Comecei em 1996 e cheguei ao quadro da primeira divisão, de forma definitiva, em 1997. Já em 1999 ingressei no quadro internacional. Passei todo esse tempo representando a arbitragem paulista como árbitro Fifa”, declarou o ex-árbitro ao site da Federação Paulista de Futebol (FPF), na última quarta.

Paulo Cesar Oliveira apitou inúmeras decisões de Campeonato Paulista, Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil, mas um amistoso para ele é o mais especial da carreira. “O jogo que mais me marcou foi o amistoso entre Brasil e Haiti, em um jogo da paz, onde tive o orgulho de apitar aquele jogo”, disse, em referência ao duelo de agosto de 2004, realizado em Porto Príncipe, capital haitiana, e vencido por 6 a 0 pela seleção brasileira.

http://esportes.estadao.com.br/noticias/futebol,aposentado-paulo-cesar-oliveira-vira-comentarista,1171557

 

“Apitinho de Ouro”

INÉDITO NO FUTEBOL

27/03/2017 às 19:21 | Assessoria CBF

Em São Paulo, CBF Social lança “Apitinho de Ouro”

Créditos: Ricardo Stuckert/CBF

“Posso ser árbitro?”. O peculiar pedido da criança na atividade com bola retrata o sucesso do lançamento do “Apitinho de Ouro”. Ação inédita no Brasil, o projeto incluído no CBF Social em São Paulo não só disseminou o trabalho da arbitragem, como despertou o interesse dos 74 meninos, de 7 a 14 anos, que participaram das atividades, nesta segunda-feira (27), na Escola de Futebol da Aclimação.

Idealizador do “Apitinho de Ouro”, José Roberto Wright, ex-árbitro e membro da Comissão Independente de Arbitragem, conduziu o encontro com o árbitro da FIFA Raphael Claus e Márcio Verri Brandão, assistente da ENAF. De forma lúdica e simplicidade, os três profissionais transmitiram conhecimentos básicos sobre a arbitragem no futebol.

– Sempre fui uma pessoa dedicada à arbitragem e sentia uma necessidade de renovação. Não necessariamente da criança virar um árbitro de futebol, mas de aprender, ter gosto, como jogam uma pelada de futebol. O essencial é que eles aprenderam e gostaram. O lançamento do Apitinho de Ouro foi ótimo. Muito bem organizado. O CBF Social é um sucesso absoluto e o Apitinho é uma soma nesse sucesso já existente – analisou Wright.

 

http://www.cbf.com.br/noticias/cbf-social/em-sao-paulo-cbf-social-lanca-apitinho-de-ouro#.WPEA3dIrLIU

 


LANÇAMENTO DO APITINHO DE OURO

A Seleção Brasileira enfrenta o Paraguai no próximo dia 28, na Arena Corinthians, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo FIFA Rússia 2018. Como já é tradição, o CBF Social desembarcará em São Paulo (SP) juntamente com a Canarinho para desenvolver, em parceria com a Federação Paulista de Futebol,  o “Seleção na Minha Cidade”. No dia 25 será iniciada a parte teórica das atividades, com os Workshops CBF + Saúde e Futebol na Infância e Adolescência. Na sequência, no dia seguinte, será realizado o Seminário Teórico e Prático de Futebol Feminino. Os dias 27 e 28 estão reservados para a Seletiva da Seleção Brasileira Feminina, lançamento do projeto Apitinho de Ouro e o Festival de Futebol CBF Social.

Confira a programação destas atividades:

Data: 25/03

Local: Auditório do Museu do Futebol – Estádio do Pacaembu.

Coordenação geral: Dr. Jorge Pagura, Comissão Nacional de Médicos de Futebol/CBF

Manhã: Workshop CBF + Saúde

9h: Abertura

9h15: Fernando Solera, Presidente da Comissão de Controle de Doping da CBF – Doping no futebol

9h45: Moisés Cohen, Presidente do Comitê Médico da Federação Paulista de Futebol e membro da CNMF/CBF – A Evolução do Tratamento das Lesões no Futebol

10h15: Gustavo Arliani, Membro do Comitê Médico da Federação Paulista de Futebol – Mapeamento de Lesões no Futebol

10h45: Antônio Carlos Fedato, Fisiologista do SC Corinthians Paulista – Atribuições de um Fisiologista no Futebol

11h15: Dr. Jorge Pagura, Presidente da Comissão Nacional de Médicos do Futebol/CBF – Ciência e Tecnologia no Futebol

Inscrições: (http://portalcbfsocial.cbf.com.br/cbfsaudesp)

Tarde: Workshop Futebol na Infância e Adolescência

Local: Auditório do Museu do Futebol – Estádio do Pacaembu.

13h30: Abertura – Walter Feldman, Secretário-Geral da CBF, e Reinaldo Bastos, Presidente da Federação Paulista de Futebol

14h: Julimar Pereira, Professor da UFPR – Aspectos Físicos e Motores dos Jogos Reduzidos na Infância e Adolescência

14h20: André Mazzuco, Diretor de Esportivo Red Bull Brasil – Transição das Categorias de Base para a Categoria Profissional

14h40: Fabrício Pimenta, Preparador Físico do SC Corinthians Paulista – Aptidões físicas: os impactos da chegada ao profissional

15h: Marcelo Nascimento, membro da Associação de Ex-Conselheiros e Conselheiros da Infância (AECCI). – Direito da criança e do adolescente

15h20: Thales Augusto da Costa Damasceno Silva, preparador goleiros categoria Sub-20 da SE Palmeiras, e Fabio Antunes de Souza Flórido, preparador de goleiros da categoria Sub-15 do SC Corinthians Paulista – Formação de goleiros no futebol (mesa redonda)

15h50: Intervalo

16h – Aline Rosa, Cruz Vermelha – Projeto Amigos do Futebol

16h20: Paulo Miguel Portela Sousa, Graduado em Educação Física pela Faculdade de Desporto da Universidade Porto (FADEUP) e Treinador UEFA B – Alfabetização Tática do Jovem Futebolista

16h40: Artur Itiro da Costa Akiyama, treinador do Sub-17 da SE Palmeiras – Modelo e Operacionalização de Treinamento Técnico-Tático

Inscrições: (http://portalcbfsocial.cbf.com.br/futebolcriancasp)

Data: 26/03 – Seminário Teórico e Prático de Futebol Feminino

Manhã: Auditório do Museu do Futebol – Pacaembu

9h: Abertura

9h20: Marco Aurélio Cunha, Coordenador das Seleções Femininas da CBF – Perspectivas do Futebol Feminino

9h40: Aline Pellegrino, Ex-atleta da Seleção e Coordenadora do Departamento de Futebol Feminino da Federação Paulista de Futebol – Projetos da Federação Paulista para o Futebol Feminino

10h – Sandra Santos, Coaching Esportiva da Seleção Feminina – Papel do Coaching na Seleção Feminina

10h20: Emily Lima, Técnica da Seleção Brasileira Feminina – Futebol Feminino no Brasil

10h40: Júlio Resende, Analista de Desempenho da Seleção Brasileira Feminina – Sistema de observação

11h: Marco Aurélio Cunha, Emily Lima, Júlio Resende, Sandra Santos e o técnicos das Seleções Feminina Sub-20, Doriva Bueno, e Sub-17, Luizão – Mesa redonda: Integração das Seleções de base com a Principal.

Tarde: Estádio do Pacaembu

14h às 16h: Aula prática

Inscrições: (http://portalcbfsocial.cbf.com.br/seminariofemininosp)

Datas: 27/03 e 28/03 – Seletiva de Futebol Feminino

Local: Pelezão

Inscrições: (http://portalcbfsocial.cbf.com.br/seletivasp)


wright-14-fev-17
José Roberto Wright, autor do projeto “Apitinho de Ouro”

http://www.cbf.com.br/noticias/cbf-social/programacao-da-cbf-social-na-cidade-de-sp-em-marco#.WNZ5GfnhDIU

Resposta 2008

A resposta de Sérgio Corrêa a Luxemburgo

Publicado em 07/08/2008, 18:55 /Atualizado em 07/08/2008, 18:57

A relação de Vanderlei Luxemburgo com a arbitragem está se deteriorando. Nesta quarta-feira, o treinador do Palmeiras disse que Sérgio Corrêa da Silva, presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, não tem credibilidade para comandar o setor.

Correa divulgou uma carta aberta, em que repudia as declarações de Luxemburgo. O documento contém argumentos interessantes.

O treinador disse que somente ex-árbitros de ponta deveriam dirigir a arbitragem. Luxemburgo foi jogador de ponta?

Veja a carta de Sérgio Corrêa da Silva:

Carta aberta ao Sr. Vanderlei Luxemburgo
A respeito da matéria inserida ontem, 06/08, às 18h20, no site “globoesporte.com” de título “Luxemburgo: ‘O Sérgio Corrêa não tem qualidade para comandar a arbitragem’”, venho publicamente e apenas desta feita dizer ao Sr. Vanderlei Luxemburgo que:
1 – Realmente, não fui um árbitro de ponta, mas minha competência como dirigente em nada depende da minha atuação dentro das quatro linhas. Na arbitragem paulista, durante 20 anos, e brasileira, por 12 anos, contribui de forma efetiva, tendo em meu currículo “apenas” 638 jogos.
2 – Da mesma forma, não nos consta que o Sr. Vanderlei Luxemburgo, por sua vez, tenha sido um jogador de muita qualidade. Ainda assim, na função de treinador é um dos melhores do País, reconhecidamente.

3 – Respeito a opinião do Sr. Vanderlei Luxemburgo, mas se fôssemos seguir o seu raciocínio os clubes deveriam ter como treinadores exclusivamente os maiores ídolos de sua história. Assim, para dirigir o Corinthians o único nome seria Rivellino, para o Santos apenas Pelé, o Palmeiras teria unicamente Ademir da Guia, e assim por diante. Na Comissão de Arbitragem tivemos grandes dirigentes que se encaixavam no perfil desejado do Sr. Luxemburgo, mas nele eles ficaram a salvo das críticas ácidas e deselegantes como estas que me chegaram.

4 – Ou seja: se apenas ex-árbitros “de ponta” fossem capazes de comandar a arbitragem nacional, o mesmo teria de ser exigido em relação a treinadores – somente craques estariam aptos a exercer esta função. E, neste caso, será que o Sr. Vanderlei Luxemburgo teria recebido as primeiras oportunidades em sua vitoriosa carreira de técnico de futebol aqui no Brasil? Outro exemplo, o treinador Sr. Felipe, um dos poucos brasileiros a alcançar sucesso na função fora do nosso país, mesmo não tendo sido um Mauro Ramos de Oliveira.

5 – Além disso, não podemos nos esquecer de que em várias entrevistas o Sr. Vanderlei Luxemburgo admitiu que, sempre que possível, procura desviar o foco e tirar a responsabilidade dos seus jogadores. Ao atacar os presidentes das Comissões de Arbitragem da FPF, como fez no primeiro semestre, e da CBF, como faz agora, ele se apresenta como se fosse o único a saber todos os caminhos e, s.m.j. geralmente achamos que os outros fazem de acordo com que fazemos. Lembro, ainda que, em maio, na cidade de São Paulo, a CBF realizou um seminário e a arbitragem teve a oportunidade de repassar um pouco do que seria exigido no Brasileirão, com todos sendo convidados, porém nem todos apareceram.

6 – Por fim, lembro mais uma vez que não crio as leis do futebol e prefiro não polemizar com o Sr. Vanderlei Luxemburgo, pois em quase 30 anos de arbitragem aprendi que o sucesso só vem depois de muito trabalho e, que para atingirmos nossos objetivos, não precisamos desrespeitar as pessoas, algo que, em minha opinião, não faz parte dos valores dos verdadeiros grandes comandantes.

Rio de Janeiro, 7 de agosto de 2008

Sérgio Corrêa da Silva
Presidente da CA-CBF

http://espn.uol.com.br/post/27739_a-resposta-de-sergio-correa-a-luxemburgo

RACISMO NO FUTEBOL BRASILEIRO

RACISMO NO FUTEBOL BRASILEIRO

11/11/2014 às 18:34 | Assessoria CBF

CBF recebe representantes da Comissão de Esporte da Câmara dos Deputados

Os representantes da Comissão de Esporte da Câmara dos Deputados foram recebidos na sede da CBF nesta terça-feira pelo presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Sérgio Correa. O racismo era o assunto principal da reunião, que também contou com representantes do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

Estiveram presentes o presidente da Comissão de Esporte, deputado Damião Feliciano; o deputado Marcelo Matos; o deputado Edinho Bez; e o consultor da Câmara dos Deputados Marcos Rogério. O vice-presidente e corregedor do STJD, Ronaldo Piacente, e o promotor do STJD, Luciano Hostins também participaram da reunião.

O departamento de Marketing da CBF também participou da reunião e expôs a campanha “Somos Iguais”, veiculada em diversas TVs, nas mídias sociais da entidade, que contou com a participação de jogadores como Tinga, Pato, Rever, Ralf, entre outros.

– Temos que diminuir o racismo no futebol brasileiro. Racismo é crime e deve ser punido. O árbitro tem o poder de paralisar a partida quando um ato racista acontecer e a Comissão de Arbitragem assumiu o compromisso de cobrar isso deles. É uma importante conquista para o cidadão brasileiro – ressaltou o presidente da Comissão de Esporte, deputado Damião Feliciano.

– A reunião entre os deputados e a CBF vem ajudar o trabalho do STJD de combate ao racismo. Hoje explicamos à comissão o que fazemos, aplicamos a lei que já existe, de punição aos clubes – explicou o vice-presidente e corregedor do STJD, Ronaldo Piacente.

O presidente da Comissão de Arbitragem, Sérgio Correa, explicou aos deputados o trabalho que a CA-CBF tem feito para diminuir o racismo no futebol brasileiro. Durante alguns meses, quando o árbitro e o árbitro assistente acessavam o site da CBF para ver sua escala de jogos, recebiam uma mensagem com a orientação de que quando houvesse um ato racista em uma partida, deveriam paralisá-la, avisar o delegado do jogo e chamar o policiamento para as devidas providências. Além disso, há um tópico nas “Orientações para Arbitragem” em que este tema também é abordado.

– Acredito que os representantes da Comissão de Esporte ficaram satisfeitos com o nosso trabalho. Assumimos o compromisso de continuar orientando os árbitros para que eles não hesitem em paralisar o jogo quando acontecer um ato racista, pois isto é crime.

 

http://www.cbf.com.br/noticias/a-cbf/cbf-recebe-representantes-da-comissao-de-esporte-da-camara-dos-deputados#.WNLH7W8rLcc

Abertura do Curso

20/03/2017 – Notícias

Abertura do Curso do SAFESP na FPF foi um grande sucesso

A Turma Sérgio Corrêa da Silva participou da abertura na sexta-feira e da primeira aula no sábado
Por: SAFESP

Abertura do Curso do SAFESP na FPF foi um grande sucesso

São Paulo, SP, 20/03 – A noite da última sexta-feira, 17 de março, marcou o início de mais um curso de formação e capacitação de árbitros de futebol do SAFESP, porém, este com um toque mais refinado, afinal ele será realizado, de forma integral, na sede da FPF e em parceria com a entidade. Com aulas aos sábados no salão nobre, mais de 40 alunos estarão se preparando para, ao término do Curso, arbitrar partidas de futebol amador no Estado. O presidente do SAFESP Arthur Alves Júnior trata este curso com tanta dedicação, que escolheu e convidou para ser o paraninfo da Turma, o ex-presidente da Comissão Nacional de Arbitragem Sérgio Corrêa da Silva. Após a abertura, Arthur falou do Curso em si, do homenageado que é o paraninfo da turma e agradeceu o presidente da FPF Reinaldo Carneio Bastos.

“Sem dúvida um grande sucesso o Curso que iniciamos nesta sexta-feira. Fizemos a abertura e em seguida tivemos a primeira aula com o professor Paulo de Carvalho. Aliás, esta Turma recebeu o nome do Sérgio Corrêa da silva, que foi um grande árbitro e comandou por muito tempo a Comissão nacional de arbitragem. Durante o decorrer do curso falaremos mais o que ele representou para a arbitragem brasileira. E é claro, agradecer também ao presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, que nos cedeu o Salão Nobre da Federação para a abertura e todas as alas do nosso Curso de Formação e Capacitação de Árbitro de Futebol”.

Estiveram prestigiando o evento e representando o presidente da FPF, Reinaldo Carneiro Bastos, estava o presidente da Comissão Estadual de Arbitragem, Ednílson Corona. Além dele compareceram ainda a abertura do evento o instrutor FIFA e membro da Comissão Estadual de arbitragem, Márcio Verri Brandão, os Instrutores do SAFESP Carlos Donizete Pianosqui e Renata Ruel, o Coordenador Desportivo da Associação dos Fiscais de Renda do Estado de São Paulo (AFRESP), professor Paulo de Carvalho, o vice-diretor da Escola de Árbitros do SAFESP, Ronnie Brandit Romanini, o diretor do Conselho de Ética do SAFESP, Jair de Godoy, que fizeram a composição da mesa diretora do evento.

Além deles, também marcaram presença o ex-árbitro Benigno Naveira e o presidente da Associação de Árbitros de Futebol de Itanhaém, Naildo Maciel Pereira. Todos deixaram o local da cerimônia entusiasmados e confiantes no sucesso de mais um curso do Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo.

 

Teste físico 2007

20/09/2007 – 18h23

Teste físico da Fifa ‘barra’ Ana Paula e árbitros do Brasileiro

 Da Redação* – Em São Paulo
Sem apitar na elite do futebol brasileiro desde maio, a auxiliar Ana Paula Oliveira foi reprovada nesta quinta-feira do teste físico para permanência ou ingresso no quadro da Fifa. A avaliação foi feita em um clube em São Caetano do Sul, no ABC paulista, e ainda “barrou” os árbitros Leonardo Gaciba da Silva e Wilson Seneme.

Djalma Vassão/Gazeta Press/AE

Ana Paula participa, e é reprovada, em teste para o quadro da Fifa, em São Paulo

Ana Paula já anunciou que não irá se submeter ao novo teste programado para a próxima terça-feira, no Rio de Janeiro. Assim, a menos que a Fifa decida mantê-la mesmo sem apresentar o desempenho satisfatório, ela deixará o quadro de árbitros da principal entidade do futebol mundial no ano que vem. Já Gaciba e Seneme devem comparecer à próxima avaliação.

Dividido em duas partes, o teste foi realizado para árbitros e auxiliares. Ana Paula completou a primeira metade da atividade dentro do tempo estipulado, mas não conseguiu repetir o desempenho satisfatório na segunda fase.

Recuperando-se de uma lesão, a auxiliar deve agora se dedicar apenas à avaliação promovida pela CBF. Ana Paula Oliveira foi afastada do quadro principal do futebol brasileiro depois de erros na segunda semifinal da Copa do Brasil, entre Botafogo e Figueirense, no Maracanã.

Pouco tempo depois, ela aceitou convite de uma revista masculina e protagonizou ensaio fotográfico, decisão que levantou polêmica no futebol. Em seguida, esteve presente apenas em jogos de divisões inferiores.

Gaciba, por sua vez, conheceu sua terceira reprovação no ano. O gaúcho já havia ido mal em testes internacionais no começo da temporada, na Suíça, e no Mundial Sub-20, no Canadá. Em contrapartida, foi aprovado na Argentina, entre as duas avaliações já citadas.

Outro reprovado nesta quinta-feira, Wilson Seneme apitou diversos jogos na Série A do Brasileiro deste ano, inclusive clássicos em São Paulo e no Rio Grande do Sul.

*Atualizada às 20h24

Renovar é preciso!

Em 2007 a CA/CBF convocou o grupo de árbitros considerados promissores, para participarem de um curso de aprimoramento na Granja Comary, em Teresópolis (RJ). Sob os olhares imutáveis dos instrutores, Edson Rezende Oliveira e Sérgio Corrêa da Silva, a plêiade de apitos foi submetida aos pilares técnico, tático, físico e psicológico.

Parte dos apitos em tela que passaram pelo crivo da retina dos indigitados dirigentes e demonstraram dom, talento, vocação e  qualidade de promissores e retornaram em 2009 em outro seminário – e sucessivamente nos anos anteriores – sendo que do grupo em tela, Pericles Bassols Cortes, Ricardo Marques Ribeiro e Wilton Pereira Sampaio, dadas as qualidades de cada um, foram galgando posições, se projetaram além dos demais alcançado o quadro da FIFA.

Observem o contingente de apitos que foi convocado à época e quantos conseguiram ultrapassar os estágios estipulados no Ranking  da CBF, dez anos depois, e quais são os que ainda mantém a perspectiva de atingirem maiores degraus no futebol pentacampeão e nas competições da CONMEBOL e da FIFA. Restaram dois, Ricardo Marques Ribeiro e Wilton Pereira Sampaio.

Não fora o intelecto visionário, a acuidade visual antecipada, o Know-how nas REGRAS DO JOGO, o perfil de instrutor de Edson Rezende de Oliveira e Sérgio Corrêa, acoplado ao projeto de excelência de aprimoramento e/ou de requalificação desenvolvido pela CA/CBF – a arbitragem brasileira teria sido privada do dom, talento e da vocação de três excelentes árbitros – Pericles Bassols Cortes, Ricardo Marques Ribeiro e Wilton Pereira Sampaio.

Aliás, a ausência das qualidades de Rezende de Oliveira e Corrêa Silva, e de um projeto de excelência é a principal causa do miserê qualitativo da arbitragem que é formada pelas federações de futebol em conjunto com as escolas de formação de árbitros em todas as regiões do Brasil.

O Paraná revelou o último árbitro promissor em 2004. Rodolpho Toski Marques, promovido neste mês de janeiro a FIFA. A atual comissão de árbitros da federação local, há dez anos no cargo não conseguiu revelar um apito (masculino) promissor. Em Santa Catarina, o cenário é pior – O último árbitro FIFA, foi Dalmo Bozzano, há dezessete anos. O miserê pode ser visto também no R. G do Sul – sem uma liderança sindical expressiva da grandeza de Carlos Eugênio Simon e Ciro Camargo, e do continuísmo na comissão de árbitros, os gaúchos pararam no tempo. Eles Esqueceram de preparar um substituto para Leandro Vuaden (foto), que foi sacado do quadro de árbitros da FIFA, no primeiro dia deste 2017. Hoje, só tem Anderson Daronco na FIFA.

O Sudeste tem o melhor árbitro do Campeonato Brasileiro de 2016, Raphael Claus (FIFA/SP) e Ricardo Marques Ribeiro (FIFA/MG), que estranhamente deu uma arrefecida na sua carreira, mas, é um profissional de alto potencial. Wagner Magalhães, do Rio de Janeiro, elevado ao quadro internacional é uma incógnita.

No Centro-Oeste do Brasil, há Wilton Pereira Sampaio (FIFA/GO) que surgiu de maneira exponencial, porém, repentinamente caiu de produção. Posteriormente, amparado pela CA/CBF e a Escola Nacional de Arbitragem de Futebol (Enaf), recuperou-se e hoje é o substituto eventual de Sandro Meira Ricci na FIFA. Wagner Reway (FIFA/MT), na nossa opinião, também ainda é uma incógnita.

Na Região Norte, tem Dewson de Freitas (FIFA/PA). Ponto. E, no nordeste, a decadência é gritante há vários anos e são pouquíssimas as chances de reversão do estágio atual.

O cenário vigente em todas as regiões do país no que tange ao árbitro de futebol, aponta de maneira clarividente a ausência de projeto, de investimento financeiro e de instrutores capacitados para formar, observar, orientar, requalificar e acompanhar o desenvolvimento do homem que maneja a bandeira e o apito. Se prosperar o quadro atual, encontrar um apito ou assistente promissor no futebol brasileiro, vai ser similar a encontrar uma agulha num palheiro.

No próximo dia 13 de fevereiro, a CBF fará a entrega  do escudo da FIFA  aos árbitros e assistentes da temporada 2017. Ato contínuo, os dez apitos e os dez bandeiras FIFA, serão submetidos a um seminário que terá a participação de instrutores da CBF e da FIFA/CONMEBOL.
Valdir Bicudo

http://www.futebolearbitragem.com.br/2017/01/renovacao-da-arbitragem-exige-projeto-e.html

PADRONIZAÇÃO E IDENTIDADE

15/03/2017 às 17:43 | Assessoria CBF

Comissão leva programa de treinos a federações

Desde a primeira semana de março, a Comissão Nacional de Arbitragem da CBF realiza visitas às Federações Estaduais para promover o Programa de Treinamento Nacional da Arbitragem 2017. Árbitros e assistentes indicados pelas entidades participam de série de atividades teóricas e práticas que visam a padronização de conceitos para a arbitragem na temporada.

– Esse contato com os árbitros de todos os estados serve para a Comissão de Arbitragem passar as mensagens, os objetivos e as novidades que estão sendo implantadas para 2017. O trabalho da Comissão é contínuo. Queremos dar total transparência do que está sendo feito. Mostrar ao árbitro que buscamos no trabalho dele criar uma identidade da nossa arbitragem – disse Marcos Marinho, presidente da CNA.

Instrutores técnicos e físicos da CBF são os responsáveis por aplicar as atividades aos árbitros, que passam por testes físicos e avaliações teóricas ao final do programa. O cronograma também prevê orientações específicas para os árbitros assistentes adicionais, que tratam do aspecto técnico com treinamentos em campo para desenvolver o posicionamento e aprimoramento da condição física. Macapá (AP), Manaus (AM) e Rio Branco (AC) já receberam a comitiva. Em Brasília, Goiânia e Cuiabá, a programação começou na última terça-feira (14).

– Estamos levando para todos orientações sobre o padrão de arbitragem de 2017, que significa o princípio de atuação com rigor em relação a indisciplina, áreas técnicas, condutas dos jogadores, comemorações de gol, procedimentos de gandulas, interferência externa, início de partida. Além disso, são passadas instruções sobre jogadas de conduta violenta, interpretação de mão na bola e bola na mão, faltas táticas, entre outros. Toda estas recomendações têm o objetivo final de padronizar a arbitragem, atuar com linguagem única e trabalhar diretrizes de interpretação – explicou Manoel Serapião, diretor-presidente da Escola Nacional de Arbitragem.

Cronograma de treinamentos:

24 a 28/02: Palmas-TO

07 a 12/03: Rio Branco-AC

07 a 12/03: Manaus-AM

07 a 12/03: Macapá-AP

07 a 12/03: Boa Vista-RR

12 a 16/03: Rolim de Moura-RO

14 a 19/03: Brasília-DF

14 a 19/03: Goiânia-GO

14 a 19/03: Cuiabá-MT

14 a 19/03: Belém-PA

21 a 25/03: Maceió-AL

21 a 26/03: Natal-RN

21 a 26/03: Teresina-PI

21 a 26/03: João Pessoa-PB

21 a 26/03: Campo Grande-MS

28/03 a 02/04: Fortaleza-CE

28/03 a 02/04: São Luis-MA

28/03 a 02/04: Recife-PE

28/03 a 02/04: Aracaju-SE

04 a 09/04: Curitiba-PA

04 a 09/04: Belo Horizonte-MG

04 a 09/04: Florianópolis-SC

04 a 09/04: Porto Alegre-RS

25 a 30/04: Salvador-BA

25 a 30/04: Vitória-ES

25 a 30/04: Rio de Janeiro-RJ

25 a 30/04: São Paulo-SP

 

Curso – SAFESP

16/03/2017 – Notícias

Curso de Formação e Capacitação de Árbitro de Futebol será na FPF

A casa do futebol estará aberta para receber os árbitros que poderão atuar no Amador de São Paulo

Por: SAFESP

Curso de Formação e Capacitação de Árbitro de Futebol será na FPF

Curso de Formação e Capacitação de Árbitro de Futebol será na FPF

São Paulo, SP, 16/03 – Cumprindo Lei que regulamenta a profissão, a Lei 12.867 de 10/10/2013 em conformidade com a Lei nº 9.615 de 24/03/1998, o Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo (SAFESP), através de seu presidente, Arthur Alves Júnior, informa que o Curso de Formação e Capacitação de Árbitro de Futebol, com início marcado para 17/03 e final no dia 08/04, com duração superior a 40 horas/aula, vai acontecer na sede da Federação Paulista de Futebol – FPF – (foto à esquerda), a casa do futebol paulista. A cerimônia de abertura acontece nesta sexta-feira, 17, às 19 horas e esta nova Turma estará homenageando uma das celebridades da arbitragem atual, o ex-presidente da Comissão Nacional de Arbitragem e atualmente Diretor do Departamento de Arbitragem da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Sérgio Corrêa da Silva.

“Para nós é uma honra poder ministrar estas aulas na casa do futebol paulista. O presidente Reinaldo Carneiro Bastos foi muito solícito conosco ao colocar à disposição o Salão Nobre da FPF para esta aula de abertura. Além disso, estaremos homenageando uma das pessoas que está na arbitragem há muito tempo e é um dos grandes defensores da arbitragem paulista e nacional”, falou Arthur Alves Júnior, que complementou.

“O Sérgio Corrêa (foto abaixo) vai ceder seu nome à Turma desta temporada e isso nos enche de orgulho, principalmente porque quando conversei com ele, a alegria demonstrada pelo convite foi emocionante. Ele sempre lutou pela arbitragem e, inclusive, ocupou esta cadeira que ocupo hoje por dois mandatos”.

Formado na Turma Abel Barroso Sobrinho, em 1981, o homenageado falou o quanto ficou envaidecido em dar seu nome à Turma e do convite feito pelo prsidente do SAFESP.

“Fiquei muito feliz e lisonjeado porque acho que tem tanta gente importante no Sindicato para ser homenageado e este convite foi feito a mim. Todos que trabalham com entidade de classe sempre esperam fazer um grande trabalho e quando ele  é reconhecido então, faltam palavras para demonstrar a alegria. Um curso deste vai marcar a carreira de muita gente e quem sabe até sair um árbitro que pode chegar ao lugar mais alto permitido. Na minha vida pode acreditar que vai marcar também. Quando o tempo passa e você recebe este tipo de homenagem é muito gratificante para o ser humano”, falou Sérgio Corrêa.

Saiba mais do paraninfo da Turma de março
Sérgio Corrêa da Silva formou-se como árbitro no dia 05/02/1981, onde atuou por mais de 20 anos. Foi presidente do SAFESP por dois mandatos, deixando o cargo para assumir um cargo na Comissão Nacional de Arbitragem e depois se tornar presidente da mesma. Colaborou em praticamente todas as diretorias do Sindicato paulista e também foi importante na construção da Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (ANAF), exercendo várias funções na diretoria. Participou em vários cargos de direção na comissão de arbitragem e escola da FPF, e a mais de 10 anos pertence à diretoria da CBF, exercendo os cargos de comissão de arbitragem, escola, e atualmente com o cargo de diretor do Departamento de Arbitragem da CBF.

http://safesp.org.br/pt/noticias/pg_view_noticias.php?id=1361

Libertadores começou…

…sem árbitros brasileiros na escala

Publicado em 11/03/2017 – 00:00
A primeira semana da fase de grupos da Copa Libertadores da América trouxe uma surpresa na escala de arbitragem: nenhum trio brasileiro foi relacionado para as 12 partidas disputadas neste meio de semana. O blog apurou que o excesso de clubes do nosso país no principal torneio de clubes do continente — oito, ou seja, um quarto dos candidatos ao título — deixou a Comissão de Arbitragem da Confederação Sul-Americana (Conmebol) em uma situação delicada para elaborar a lista. A entidade adota o princípio da neutralidade. Evita usar árbitros que possam ter interferência direta ou indireta em grupos de times de suas nações. É aí que mora o problema…
O Brasil é representado por Atlético-MG, Atlético-PR, Botafogo, Chapecoense, Flamengo, Grêmio, Palmeiras e Santos. Um recorde nesta fase. Como Fla e Atlético-PR estão juntos, os oito estão distribuídos em sete chaves. O único grupo sem times do país é o 3, com Emelec (Equador), Independiente Medellín (Colômbia), Melgar (Peru) e River Plate (Argentina). Em tese, os árbitros brasileiros só poderão apitar partidas desses clubes.

Em entrevista ao blog, o paulista Wilson Luiz Seneme, presidente da Comissão de Arbitragem da Conmebol, explicou a saia justa. “São critérios que usamos na comissão. Não tem a ver com capacidade técnica, até porque, os árbitros brasileiros estão entre os melhores. Pensamos na preservação da maior competição continental. Maior neutralidade possível para evitar polêmicas desnecessárias. Um erro grave pode desclassificar uma equipe. Se for com um árbitro do mesmo país dentro do mesmo grupo potencializa o erro”, acrescenta.

No ano passado, o procedimento foi o mesmo. Porém, ao contrário desta edição, em 2016 não havia times brasileiros em três grupos. Apenas um árbitro brasileiro apitou partida de grupo com clube do seu país. Héber Roberto Lopes trabalhou na última rodada da chave do Corinthians. Apitou Cerro Porteño 1 x 0 Santa Fé. O Timão não seria beneficiado porque estava classificado em primeiro lugar.

A tendência é que os árbitros brasileiros voltem à escala na próxima semana. Motivo: os clubes do Grupo 3 estreiam na Libertadores. O Melgar enfrenta o Emelec, e o Independiente Medellín recebe o River Plate. Os times da Chave 1, do Botafogo, também vão disputar a primeira rodada no dia 14. Consequentemente, a tendência é que não haja juízes brasileiros. “Não é uma decisão fechada, avaliamos por rodada, sempre pensando primeiramente na competição. Vai depender de como segue a classificação de cada grupo”, argumenta Wilson Luiz Seneme.

Cachê de até R$ 10 mil

A trava na escala de árbitros devido ao excesso de clubes brasileiros deve diminuir o faturamento dos árbitros. O cachê de um juiz por partida na Libertadores é de US$ 2.550 (aproximadamente R$ 8 mil) mais diárias. O juiz é remunerado por jogo realizado. Obviamente, a falta de escala afeta o bolso. Atualmente, o Brasil tem 10 árbitros Fifa. Todos aptos para mediar partidas internacionais. Na primeira, segunda e terceira fases eliminatórias, quatro deles foram utilizados: Wilton Sampaio (GO), Luiz Flávio de Oliveira (SP), Sandro Ricci (SC) e Ricardo Marques (MG).

Brasiliense vinculado à Federação Goiana, Wilton Sampaio é árbitro Fifa. Ele apitou o empate por 0 x 0 entre Deportivo Táchira, da Venezuela, e Deportivo Capiatá, do Paraguai, pela primeira fase. O árbitro confirma que o cachê pode chegar a US$ 3 mil por jogo (R$ 9.500), admite que a concorrência para trabalhar será pesada na Libertadores, mas pondera. “A Conmebol preza pela neutralidade. A Libertadores deste ano tem apenas um grupo sem brasileiros. É justo”, opina.

Uma alternativa financeira é ser escalado para apitar a Copa Sul-Americana. O torneio é disputada no sistema mata-mata. Anderson Daronco (RS) e Wagner Magalhães (RJ), por exemplo, apitaram partidas desta edição.

Os 10 árbitros Fifa do Brasil
Anderson Daronco (RS)
Dewson Freita da Silva (PA)
Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Raphael Claus (SP)Ricardo Marques (MG)
Rodolpho Toski Marques (PR)
Sandro Ricci (SC)
Wagner Magalhães (RJ)
Wagner Reway (MT)
Wilton Sampaio (GO)

Quem apitou nesta Libertadores?
» Primeira fase
Wilton Sampaio
Táchira 0 x 0 Capiatá

» Segunda fase
Luiz Flávio de Oliveira
Cerro 2 x 3 Unión Española
Sandro Ricci
Unión Española 2 x 0 Cerro
Ricardo Marques
Atlético Tucumán 2 x 2 El Nacional

» Terceira fase
Sandro Ricci
Junior Barranquilla 1 x 0 Atlético Tucumán

» Fase de grupos
Nenhum em 12 jogos até agora

 

http://blogs.correiobraziliense.com.br/dribledecorpo/4607-2/