CBF registra primeiro contrato de treinador no BID

12/04/2017 às 13:26 | Assessoria CBF

CBF registra primeiro contrato de treinador no BID

Créditos: CBF

O primeiro registro de treinador no Boletim Informativo Diário (BID) da Confederação Brasileira de Futebol foi divulgado nesta quarta-feira (12): Fernando Tonet, do Parnahyba-PI. Após acordo da CBF com os clubes participantes das Séries A, B e C, conforme comunicado na última sexta-feira (7), a iniciativa promoverá melhores benefícios aos profissionais que compõem o sistema do futebol brasileiro, contribuindo para o seu desenvolvimento e modernização.

– Fiquei muito feliz com essa possiblidade. É um momento histórico para a nossa classe e também porque tive a chance de ser o primeiro a representar os treinadores. A lei representa garantias, estabilidade maior, e isso já é um grande fato para o futuro do futebol e dos treinadores brasileiros – comentou Tonet.

O registro dos referidos contratos representa um grande avanço na estrutura do futebol e passará a ser obrigatório para os clubes que venham a disputar o Campeonato Brasileiro, em todas as suas séries, conforme já previsto nos atuais regulamentos específicos.

– É um momento histórico para o Brasil, não só para a CBF, mas para o nosso futebol. É mais uma etapa que a gente conseguiu para dar formalidade à função de treinador, de ter um contrato assinado, que vai lhe garantir um seguro, uma criação de currículo dentro da CBF. No futuro, quando forem se aposentar, terão o respaldo desses contratos registrados perante a Lei. A nossa meta é que todo clube, quando for registrar seus atletas, também registre seu técnico – explicou Reynaldo Buzzoni, diretor de Registro, Transferência e Licenciamento de Clubes da CBF.

CBF questiona AAV

2/04/2017 17h37 – Atualizado em 12/04/2017 17h37

CBF questiona interpretação do árbitro de vídeo e não define início dos testes

Manoel Serapião Filho, presidente da Escola Nacional de Árbitros, diz que a entidade máxima do futebol brasileiro não quer que as partidas percam a sua dinâmica

Por SporTV.com, Rio de Janeiro

Apesar de a CBF ter a intenção de fazer o uso do árbitro de vídeo no Campeonato Brasileiro deste ano, ainda não existe um prazo para começar os testes em gramados do país. Presidente da Escola Nacional de Árbitros, Manoel Serapião Filho vê questões ainda a serem resolvidas antes decidir pelo uso da tecnologia. De acordo com Serapião, é preciso aprimorar a novidade, já que o objetivo é fazer com que o jogo não perca a sua dinâmica.

– O árbitro de vídeo, no momento, no Brasil, ainda não temos previsão de iniciar. Primeiramente encaminhamos o projeto, que foi amplamente recepcionado, e o nosso projeto tem uma filosofia de não parar o jogo, impedir que o jogo perca sua dinâmica. Por isso, nós elaboramos um projeto limitado a quatro tipos de lances importantes que podem interferir num resultado da partida. Ou seja: gols ou não gols marcados, ou marcados irregularmente, pênaltis marcados ou não marcados, expulsões claras adotadas ou o contrário, injustamente adotadas, e a identificação equivocada de um jogador, que aí vai até pro cartão amarelo. O árbitro dá cartão amarelo para o número 6, e quando foi o número 5, o árbitro de vídeo, tendo a certeza, pode corrigir isso. O nosso projeto se baseia nesse conceito a que já me referi, de não paralisação. Ou seja: o árbitro de vídeo, tendo a imagem clara, e sendo um lance claro e indiscutível, e não de interpretação, comunica ao árbitro e o árbitro corrige o equívoco – disse, na tarde desta quarta, no “Seleção SporTV”.

Manoel Serapião Filho em teste do árbitro de vídeo na Suíça IFAB (Foto: Divulgação/CBF)
Manoel Serapião Filho participou de testes com o árbitro vídeo na Suíça (Foto: Divulgação/CBF)

O árbitro de vídeo – experiência que a Fifa inaugurou no Mundial de Clubes do Japão, em dezembro – voltou a ser usado em partida na Holanda no início deste ano. Lukas Brud, secretário da International Board (Ifab), órgão que cuida das regras do futebol, disse ao GloboEsporte.com, que o Brasil estaria entre as várias ligas do mundo com potencial para testar a novidade a partir do segundo semestre.

Manoel Serapião garantiu que o projeto apresentado pela CBF foi totalmente absorvido pela International Board e pela Fifa. Mas a entrada da interpretação da arbitragem contraria a decisão de não perder a dinâmica de jogo, já que em qualquer decisão a partida poderia ser interrompida para questionar uma decisão.

– Apesar de nosso projeto, no seu linguajar, ser totalmente absorvido pela International Board e pela Fifa, foi agregado do elemento interpretação. Ou seja: criou a possibilidade de o próprio árbitro, primeiramente, rever o lance de interpretação, o que, para nós, é um equívoco. Continuamos com essa visão técnica. Pode ser que amanhã estejamos errados. A CBF entende que neste primeiro grande passo teria que haver um certo limite até que a cultura do futebol absorvesse o uso da tecnologia, e que até hoje não é usada, exatamente desde a época do doutor João Havelange, no sentido de que o jogo não poderia perder a sua dinâmica. Então, nós construímos alguma coisa que fosse nesse caminho. Como a Fifa agregou a possibilidade de o árbitro analisar o lance de interpretação, isso quebrou a base da espinha dorsal do nosso projeto. E quebrou um outro sentido, de que agora o árbitro de campo é que terá o poder de decisão, o que para nós não faz sentido. Se a bola entrou e o árbitro de vídeo tem uma prova material e diga ao árbitro “a bola entrou”, não faz sentido o árbitro dizer “eu quero ver se entrou”. em outra palavras, ele estaria dizendo “não confio na sua visão”.

Serapião disse ainda que erros cometidos após a avaliação dos árbitros de vídeo podem acabar com o projeto. O dirigente lembrou que o fato já aconteceu na última edição do Mundial de Clubes da Fifa. Na partida entre Atlético Nacional e Kashima Antlers, o árbitro húngaro Viktor Kassai recebeu “ajuda” das imagens para a marcação de um pênalti, mas o juiz não conseguiu identificar que no mesmo lance havia também um impedimento a ser marcado.

Pênalti árbitro de vídeo Atlético Nacional Kashima Antlers (Foto: Reprodução SporTV)
Jogadores do Kashima Antlers em impedimento antes da marcação do pênalti (Foto: Reprodução)

 

– Vai acontecer o que já aconteceu no Mundial de Clubes. O árbitro tomar uma decisão equivocada. Isso vai matar o projeto e será muito ruim. E nós estaremos indiretamente substituindo o árbitro de campo pelo árbitro de vídeo (…). Então, isso pra nós não faz sentido e atrasou um pouco o projeto. Eu como instrutor técnico e o Sérgio Corrêa como o líder do projeto, que envolve aspectos administrativos e financeiros e de seleção das equipes de televisão que estão fazendo o trabalho. Fizemos esse lançamento, mas a Fifa manteve somente o projeto, e a CBF, agora, terá que implementar, submeter-se ao projeto único da International Board.

O dirigente afirmou que a CBF já está pesquisando com várias empresas equipamentos para serem utilizados durante os testes, em uma espécie de licitação. Serapião, porém, voltou a afirmar que ainda não existe um prazo para finalizar o processo.

– A CBF é obrigada a fazer uma pesquisa entre empresas, um processo de licitação. Primeiramente estamos analisando as equipes. Fizemos com a Globo e outras empresas. A CBF está pensando nela própria adquirir os equipamentos.

A ideia do presidente da Fifa, Gianni Infantino, é realizar testes em diversas competições durante a temporada europeia 2017/18 para implementar o árbitro de vídeo na Copa da Rússia, em 2018.

Manoel Serapião Filho, diretor técnico da Enaf (Foto: Reprodução/CBF TV)Manoel Serapião diz que a CBF ainda estuda uma melhor forma para usar o árbitro de vídeo(Foto: Reprodução/CBF TV)

NOVA PLATAFORMA

NOVA PLATAFORMA

12/04/2017 às 18:30 | Assessoria CBF

Analistas de arbitragem concluem treinamento

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

A utilização da nova plataforma da Comissão de Arbitragem da CBF, com dados estatísticos e imagens, para avaliação dos árbitros, já tem data para iniciar: 13 de maio, no início do Campeonato Brasileiro 2017. Nesta semana, os analistas que irão operar a ferramenta concluíram o programa de treinamento promovido pela CBF e pela Escola Nacional de Arbitragem de Futebol (ENAF).

Nesta quarta-feira (12), durante a aula dos 25 analistas aprovados para a função, o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Marcos Marinho, explicou sobre a nova plataforma.

– Será um novo protocolo de análise de desempenho. Teremos dois tipos de analistas: o de campo e o de TV, que usará a plataforma. A partir daí, vamos cruzar essas informações em uma central, que vai condensar essas duas análises feitas em um jogo e vai gerar, em 48 horas, o relatório daquele árbitro. A partir daí, ele terá informações do que precisará corrigir no próximo jogo. O objetivo maior é a gente ter um relatório final, quer individual ou coletivo, da arbitragem brasileira. Isso vai diminuir o tempo de corrigir algo – explicou Marinho.

Manoel Serapião, presidente da Escola Nacional de Arbitragem de Futebol (ENAF), explicou a seleção dos analistas que utilizarão a nova plataforma.

– São ex-árbitros e ex-assessores, pessoas com experiências, que sabem olhar o jogo e atuação dos árbitros. Só que agora são duas plataformas diferentes. É o analista de vídeo, que vai ver pela televisão e marcar acertos e erros, contabilizando os cartões, as faltas, os impedimentos. E o analista de campo, que tem um formulário novo, que é o Radar (Relatório de Análise de Desempenho de Arbitragem), onde vai analisar também todas as ocorrências de campo. Depois o sistema nos dará um conceito final da arbitragem e até uma pontuação, que servirá para a gente analisar se ela está de acordo com o que foi escrito e com a opinião do analista para que, no fim, haja um encontro e uma calibragem dos trabalhos – disse Serapião.

Neste ano, a ferramenta será utilizada pela Arbitragem no Campeonato Brasileiro das Séries A e B. Em 2018, os árbitros da Copa do Brasil também receberão as análises. O objetivo da CBF é que a plataforma seja usada em todas as competições da entidade.

Nadine Bastos encerra carreira

NA ARENA DA AMAZÔNIA

10/04/2017 às 14:01 | Assessoria CBF

Nadine Bastos encerra carreira e recebe homenagem

Créditos: Lucas Figueiredo/CBF

Após dez anos se dedicando à arbitragem brasileira, Nadine Bastos (FIFA-SC) anunciou o encerramento de sua carreira como árbitra assistente. A última partida da catarinense foi o amistoso da Seleção Brasileira Feminina contra a Bolívia, no último domingo (9), na Arena da Amazônia.

Uma das homenagens da noite partiu da árbitra Débora Correia (FIFA-PE), que foi até Nadine nos acréscimos finais do amistoso e passou o apito para que a assistente encerrasse o jogo. Surpresa, Nadine não conteve a emoção.

– Estou chorando a semana inteira e hoje (domingo) só aumentou (risos). Eu não acreditei nesse momento. É indescritível. Vou sentir muita falta de estar no campo, mas uma homenagem dessa eu não vou esquecer jamais e fico muito feliz por todo esse carinho – disse a assistente, que também recebeu das mãos da treinadora Emily Lima uma camisa autografada pela Seleção Feminina.

Mesmo longe dos campos, Nadine garante que irá seguir trabalhando em prol do futebol femininio.

– Eu acredito que as mulheres têm muito a se dedicar no futebol e têm um caminho muito bonito pela frente. Quero continuar incentivando o futebol feminino, assim como a arbitragem feminina. Nós somos capazes de ir muito longe – encerrou.

INOVAÇÕES NA ARBITRAGEM

INOVAÇÕES NA ARBITRAGEM

29/03/2017 às 18:46 | Assessoria CBF

Estruturação do processo de análise de desempenho

A Comissão de Arbitragem da Confederação Brasileira de Futebol segue na busca pela formação de uma identidade para a arbitragem brasileira. Durante toda a última segunda-feira (27), membros do órgão estiveram reunidos na sede da entidade para acertar a estruturação do novo processo de análise de desempenho dos árbitros, que incluirá a avaliação por meio de analistas de TV e de campo.

A CBF vai iniciar a utilização de uma nova plataforma, com dados estatísticos e imagens, para avaliar os árbitros do seu quadro. Para garantir a lisura, o novo sistema será auditado e vai analisar as qualidades e aspectos a melhorar de cada árbitro e assistente. Em um banco de dados, haverá o perfil para cada profissional, com gráficos para cada item e informações objetivas e rápidas, que contribuirão para a evolução. O mecanismo vai gerar dados individuais e globais para a Comissão de Arbitragem.

O Centro de Pesquisa e Análise de Desempenho da Arbitragem receberá informações técnicas e disciplinares definidas pelos analistas selecionados. Os dados fornecidos pelos analistas e TV irão ao encontro às referências passadas pelos analistas de campo. Estas informações serão recebidas pela Comissão de Arbitragem e, após avaliação dos instrutores do Centro de Pesquisa, nos moldes do que tem sido utilizado pelo Departamento de Seleções, resultarão em relatórios, em texto e vídeo, para os árbitros e assistentes avaliarem as respectivas atuações. Tudo isto será entregue aos profissionais em um prazo de no máximo 48 horas após o último jogo do qual tenha atuado.

O presidente da Comissão de Arbitragem, Marcos Marinho, destacou a evolução que será feita com esta novidade. Para ele, a ferramenta será importante e fundamental para a Comissão e os próprios árbitros.

– A devolução desse trabalho é imediata para os árbitros. Ele vai ter a imagem e o comentário do analista com relação ao erro, ou acerto, mas principalmente em falhas, para que possa, em uma próxima partida, corrigir isso. O objetivo desse trabalho com imagens é a uniformidade do critério. É o que estava falhando dentro do sistema. A cobrança pela mudança de atitude com relação ao árbitro. E você vai ter condição, no final da temporada, de mensurar as características que o árbitro precisa melhorar em termos gerais. Isso vai nos mostrar, através das análises, o que vamos estar atacando no ano seguinte – acrescentou.

Para manter-se no quadro de árbitros da CBF, os profissionais terão de alcançar as metas estabelecidas. Os árbitros poderão acompanhar os quesitos em que estiverem com bom desempenho ou deixando a desejar através da ferramenta. Com este banco de dados, as informações poderão ser compartilhadas com dirigentes de clubes e mídia. A ideia é blindar a arbitragem por meio de imagens e dados estatísticos.

Para isto, a Escola Nacional de Arbitragem de Futebol – ENAF está realizando treinamentos para utilizar do sistema de análise e do novo formato do relatório de análise de desempenho da arbitragem (RADAR), em três etapas. A segunda será em São Paulo (4 a 8/4) e a última, no Rio de Janeiro (10 a 13/4).

Academia Paulista

11/04/2017 – Notícias

Presidente do SAFESP participa de reunião da Academia de Árbitros

A reunião marcou a volta da Academia e também uma comemoração do aniversário do SAFESP
Por: SAFESP

Presidente do SAFESP participa de reunião da Academia de Árbitros

Presidente do SAFESP participa de reunião da Academia de Árbitros

São Paulo, SP, 11/04 – O Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo (SAFESP) completou no último dia 09, domingo, 36 anos de fundação. Para comemorar o fato, o presidente da entidade, Arthur Alves Júnior (ao centro da foto), reativou a Academia Paulista de Árbitros. Nesta segunda-feira, 10, Arthur comandou a reunião que empossou o novo Coordenador da Academia, Renato de Oliveira Braga (à direita), e o Secretário Hélio Mauro Viana Martins (à equerda). Com isso os acadêmicos voltam a estudar a arbitragem e também analisar regras e situações que possam ser avaliadas para futuras indicações de mudanças junto ao órgão máximo da arbitragem, a International Board.

A reunião contou com a participação de alguns árbitros e ex-árbitros que terão que enviar seus currículos para, depois de analisados, terem ciência se estarão, ou não, fazendo parte do quadro de acadêmicos da entidade. Compareceram, além do novo coordenador Renato Braga e do secretario Hélio Mauro, o ex-árbitro Sílvio Roma, Ronnie Brandit Romanini, que é o vice-diretor da Escola de Árbitros do SAFESP, e os árbitros que ainda estão na ativa, Renata Ruel Xavier de Brito, Giovanni Domênico Canetto Venturini, Pietro Dimitrof Stefanelli, Débora Moraes Frik dos Santos e Gilmar Alves da Silva. Não puderam comparecer por estarem com compromissos agendados os acadêmicos Márcio Verri Brandão, Daniel Luís Marques.

“A Academia Paulista de Arbitragem é o sonho de todo árbitro estudioso. Realizamos nossa primeira reunião do ano e empossamos o Renato de Oloveira Braga como novo coordenador. O nosso associado que tiver uma sugestão, pode encaminhar para ele que será muito bem recebida. Nós estamos prontos para receber as sugestões de modificações que podemos realizar. A nossa Academia estará pronta para auxiliar a regra do jogo”, disse Arthur Alves júnior que complementou falando dso 36 anos de existência do SAFESP.

“Tudo começou no dia 09 de abril de 1981 quando duas entidades, a APAFESP e a APAFUT, se juntaram para formar o Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado de São Paulo. De lá ara cá foram anos de trabalho árduo em luta pelo associado, inclusive com enormes conquistas Não podemos e nem devemos deixar de citar os ex-presidentes que fizeram e fazem parte desta história, casos de José Astolfi, Sérgio Corrêa da Silva, José de Assis Aragão, Ílton José da Costa, Ulisses Tavares da Silva Filho e Dárcio Pereira, que hoje mora no céu. Nossa meta ao dar continuidade a este trabalho é procurar engrandecer a instituição em sua luta por conquistas do árbitro de futebol”.

 

http://www.safesp.org.br/pt/noticias/pg_view_noticias.php?id=1392