With VAR, refereeing commission celebrates a 80% reduction…

With VAR, refereeing commission celebrates a 80% reduction in “major mistakes” in the Brasileirão

According to Leonardo Gaciba, the number of mistakes made in the Brazilian National Football Championship (“Brasileirão”) dropped from 188 to 36. The Statistical Spy feature reviewed all 755 match interruptions due to VAR reviews and tells the full story.

 By Valmir Storti — Rio de Janeiro

13 December 2019 4:37 p.m.

Was it good for you? After 755 VAR review-related match interventions, the Brasileirão is finally over. Its main distinguishments include average VAR review times of 1min29s per interruption, 183 decisions that were overturned/changed (one decision overturned/changed in every two matches), and 35 matches (9%) with smaller stoppage times than the time spent on VAR reviews, not taking into account all other match interruptions. In regards to the 183 decisions that were overturned/changed, 31 goals were awarded, whereas 47 were disallowed.

“The first challenge related to VAR intervention times. Once we overcame this challenge, we moved on to the scope of VAR interference. And after we grasped what that scope of interference was, VAR’s acceptance increased. The number of major mistakes dropped from 188, last year, to 36 this year. Today, each goal is examined much more in-depth than before”, said the president of CBF’s Refereeing Commission Leonardo Gaciba. For purposes of this article, major mistakes denote incorrect decisions made by the referees, such as, for instance, a red card or penalty offence incorrectly awarded or that should have been awarded.

The president of the Refereeing Comission Leonardo Gaciba speaks before São Paulo Football Club players – Picture: Press / São Paulo FC

“FIFA never promised that everything would be flawless. We are there to avoid unquestionable mistakes from taking place, the rest remains the same. There will be residual errors, in spite of the comprehensive VAR resource. Fans, in general, will need to learn that certain plays will never be unanimous since they are interpretative by nature. Moreover, VARs should not intervene in said plays. We need to be concerned with unanimous mistakes”, Gaciba stated.

What did VAR change in the 2019 Brasileirão?

Changes

Reasons

28

goals awarded due to offside calls being overturned

2

goals awarded due to foul offences being overturned

1

goal awarded because the ball did not leave the field of play

26

goals disallowed for offside calls that were not awarded before

21

goals disallowed due to foul offences that were not awarded

3

penalty kicks overturned due to goalkeeper encroachment

55

penalty kicks awarded

15

penalty kicks overturned

2

yellow cards in plays that did not use to be awarded before

5

yellow cards in plays that used to be sanctioned with red cards before

9

red cards in plays that did not use to be sanctioned before

11

 red cards in plays that used to be sanctioned with yellow cards before

5

changes to decisions concerning players that were mistakenly sanctioned

Source: Statistical Spy

Throughout the 380 matches of the Brasileirão, minute by minute, the Statistical Spy feature measured and ranked all instances where referees signaled players to wait before play could be restarted. This time measurement took into consideration four distinct situations: the offence to be reviewed until play was stopped (with the ball still in play); the referee signaling the match to stop until VAR made its decision; whenever appropriate, the signal made by referees before and after heading over to the sidelines to carry out reviews, and the time needed for the ball to be put back into play again.

 Scope of VAR intervention

 Here, we list times taken solely by VARs during both VAR and on-field referee reviews. The time that it takes for the ball to be put back into play in a match additionally depends, in many cases, on players’ goodwill and cooperation.

Time taken by VAR when a decision was overturned/changed:

 

VAR Referee Number of Incidents Average time
Only VAR 2h19min24s 65 2min09s
Referee reviewed play 3h04min50s 2h24min46s 118 2min48s
Overall 5h24min14 2h24min46s 183 2min34s

Time taken by VAR when a decision was not overturned/changed

 

VAR Referee Number of Incidents Average time
Only VAR 9h23min27s 544 1min02s
Referee reviewed play 42min12s 40min29s 28 2min57s
Overall 10h05min39s 40min29s 572 1min08s

 General average time taken by VAR

VAR Referee Number of Incidents Average time
Overall 15h29min53s 3h05min15s 755 1min29s

Overall, there were 755 VAR interventions in 380 matches, an average of nearly two interventions per match. On the other hand, 51 matches had no VAR interventions whatsoever, whereas the most interventions in a match were nine, during the Goiás 2-2 Corinthians clash for the 26th round. Below, we submit the other matches that had the most VAR interventions.

 Matches with most VAR review interventions

round match VAR referee VAR vido referee Overall number of interventions
26 Goiás 2-2 Corinthians 1 8 9
14 Botafogo 2-1 Athletico-PR 3 4 7
16 Avaí 1-1 Corinthians 1 6 7
21 Atlético-MG 1-2 Vasco 1 6 7
23 Palmeiras 1-1 Atlético-MG 0 7 7
1 Ceará 4-0 CSA 2 4 6
14 Palmeiras 2- 2 Bahia 2 4 6
18 CSA 2-0 Chapecoense 0 6 6
36 Avaí 1-1 Fluminense 0 6 6

If the tournament had an average of one decision overturned/changed each two matches, on others these figures obviously were significantly higher. The record in calls overturned/changed was three, in four different matches, most of them already in the second round of the competition.

Matches with most VAR-related decisions overturned/changed 

Round Match VAR referee VAR video referee Overall number of changes
1 Fluminense 0-1 Goiás 3 0 3
22 Corinthians 1-0 Vasco 1 2 3
24 Cruzeiro 0-0 Fluminense 3 0 3
29 Internacional 1-1 Athletico-PR 1 2 3

The more number of interventions there are in a match, the smaller the probability there is for the time taken by VAR reviews to be added on. Seven matches had VAR interventions that took over ten minutes. Of the 14 halves of matches, three of them had stoppage times that were smaller than VAR intervention times, and in an additional six matches, stoppage times were not even one minute longer than the time taken by VAR interventions, 64% when adding the first and second halves.

Matches interrupted by VAR the longest time 

Round Match Overall number of interventions Intervention time
14 Botafogo 2-1 Athletico-PR 7 14:54
14 Palmeiras 2-2 Bahia 6 13:37
29 Internacional 1-1 Athletico-PR 5 12:12
26 Goiás 2-2 Corinthians 9 11:43
1 Ceará 4-0 CSA 6 11:31
1 Fluminense 0-1 Goiás 4 10:49
24 Cruzeiro 0-0 Fluminense 4 10:01
21 Atlético-MG 1-2 Vasco 7 09:27
31 Vasco 1-2 Palmeiras 4 09:22
30 Chapecoense 0-3 São Paulo 4 09:14

Of the 380 matches of the Brasileirão, 219 were stopped at least once for VAR reviews in the first half (58%). Of these 219 matches, in 84 of them stoppage times were either smaller than the time taken for VAR reviews or less than one minute (38%) .

In the second half, 257 matches were stopped for VAR reviews (68%). Of these 257 matches, in 70 of them stoppage times were either less than the time taken for VAR reviews or less than two minutes, in addition to the time taken for VAR reviews (27%), not enough time to make up for all player substitutions, cards and additional match interruptions.

“The trend is for match times to increase even further. Today, fans in general no longer find five or six minutes of stoppage time something unusual. To increase this time even further is a matter of training for all those engaged with refereeing”, Gaciba stated.

TRADUÇÃO DA TABELA ABAIXO:  Matches with smaller stoppage times than the time taken for VAR reviews

Number of matches

Rounds

Number of matches per round in which stoppage times added on at the end of each half were smaller than the time taken for VAR reviews — Picture: Statistical Spy

During the competition, Leonardo Gaciba came up with a metaphor to help refereeing teams grasp the scope of intervention the organization was aiming for.

“FIFA said they were not looking for ants, but for elephants instead. Here in Brazil, we are not looking for elephants, but rather for blue whales (the world’s largest animal)”, Gaciba stated.

Still, average VAR review times increased in the second half of the competition. In the first round, there were, on average, 18 interventions per match each round, a figure that went up to 22 in the second round. What actually decreased throughout the competition was the average VAR review time.

“What matters most is for the fans in general to understand that the number of mistakes has plummeted, that players grabbing each other inside the penalty area is something that has disappeared from football, that the average number of fouls dropped in comparison to last year’s edition, and that less cards were awarded in comparison to last year, particularly if we take into consideration sanctions awarded to coaching staffs this year. The trend is for this to continue improving. For the first year with use of VAR in the Brasileirão, we had very good results. In England, referees underwent two years of training, though when they started using VAR in real-time, they also faced problems and backlash.

TRADUÇÃO DA TABELA ABAIXO:

Number of match interruptions due to VAR reviews per round

Average review time per VAR interruption, per round

Average review times in each VAR intervention, per round — Picture: Statistical Spy

*The Statistical Spy team is compromised of: Guilherme Maniaudet, Guilherme Marçal, Leandro Silva, Roberto Maleson, Roberto Teixeira, Valmir Storti and Vitória Azevedo

https://globoesporte.globo.com/futebol/brasileirao-serie-a/noticia/comissao-de-arbitragem-comemora-reducao-de-80percent-nos-erros-capitais-no-brasileirao.ghtml

 

 

VAR: Redução de 80% nos erros capitais…

Por Valmir Storti — Rio de Janeiro

 


Foi bom para você? Depois de 755 paralisações de jogo para análise do VAR, o Brasileirão acabou. Deixou como marcas a intervenção média de 1min29s por paralisação, as 183 mudanças de decisões (uma mudança a cada duas partidas) e 35 jogos (9%) com acréscimos menores do que o tempo consumido exclusivamente pelo VAR, sem contar todas as outras paralisações. Nas 183 mudanças, 31 gols foram validados e 47 gols, anulados.

– O primeiro desafio foi em relação ao tempo. Vencido esse desafio, passamos para a linha de interferência. E depois de entendermos qual era a linha de interferência, a aceitação foi maior. O número de erros capitais baixou de 188 no ano passado para 36 neste ano. Hoje o gol é analisado com muito mais detalhes do que acontecia anteriormente – afirmou o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Leonardo Gaciba. Como erros capitais entenda decisões equivocadas da arbitragem, como um cartão vermelho mal aplicado ou um pênalti ou mal marcado ou que deixou de ser marcado quando deveria ter sido.

O presidente da Comissão de Arbitragem, Leonardo Gaciba, dá palestra a atletas do São Paulo — Foto: Divulgação / São Paulo FCO presidente da Comissão de Arbitragem, Leonardo Gaciba, dá palestra a atletas do São Paulo — Foto: Divulgação / São Paulo FC

O presidente da Comissão de Arbitragem, Leonardo Gaciba, dá palestra a atletas do São Paulo — Foto: Divulgação / São Paulo FC

 

– Em nenhum momento a Fifa prometeu perfeição. Estamos lá para não haver o erro inquestionável, o resto continua fazendo parte. Haverá um residual de erros, apesar da ferramenta poderosa. O público em geral terá de entender que há jogadas em que não há consenso nunca, pois depende de interpretação e, nessas jogadas, o árbitro de vídeo não deve interferir. Devemos nos preocupar com os erros em que há consenso – disse Gaciba.

O que o VAR mudou no Brasileirão-2019

Mudanças Motivos
28 gols validados por anulação de impedimentos marcados
2 gols validados por anulação de faltas
1 gol validado porque a bola não saiu de campo
26 gols anulados por impedimentos antes não marcados
21 gols anulados por faltas não marcadas
3 cobranças de pênalti anuladas porque goleiro se adiantou
55 pênaltis marcados
15 pênaltis anulados
2 cartões amarelos em lances não punidos anteriormente
5 cartões amarelos em lances anteriormente punidos com vermelhos
9 cartões vermelhos em lances não punidos anteriormente
11 cartões vermelhos em lances anteriormentos punidos com amarelos
5 correções na identificação de atletas punidos

Ao longo dos 380 jogos do Brasileirão, minuto a minuto, o Espião Estatístico cronometrou e classificou cada vez que o árbitro fez sinal informando aos atletas que deveriam esperar antes de reiniciarem o jogo. A cronometragem levou em conta quatro momentos: da infração a ser analisada até o jogo ser paralisado (com a bola em jogo ainda); do sinal para o jogo parar até a decisão do videoárbitro; quando foi o caso, do sinal que o árbitro faz antes e depois de ir à tela à beira do campo e o tempo necessário até a bola voltar a entrar em jogo.

Ao VAR o que é do VAR!

Aqui apresentamos o tempo consumido exclusivamente pelo VAR durante as análises do videoárbitro e do árbitro. O tempo para a bola voltar a entrar em jogo muitas vezes depende também da boa vontade dos atletas.

Tempo consumido pelo VAR quando houve mudança

Vídeoárbitro Árbitro Eventos Tempo médio
Só videoárbitro 2h19min24s 65 2min09s
Árbitro analisou 3h04min50s 2h24min46s 118 2min48s
Total 5h24min14 2h24min46s 183 2min34s

Tempo consumido pelo VAR quando não houve mudança

Vídeoárbitro Árbitro Eventos Tempo médio
Só videoárbitro 9h23min27s 544 1min02s
Árbitro analisou 42min12s 40min29s 28 2min57s
Geral 10h05min39s 40min29s 572 1min08s

Tempo consumido pelo VAR em geral

Vídeoárbitro Árbitro Eventos Tempo médio
Geral 15h29min53s 3h05min15s 755 1min29s

Foram 755 paralisações em 380 jogos, uma média de praticamente duas paralisações por partida. Em 51 partidas, não houve qualquer paralisação, e o pico foram nove paradas no jogo Goiás 2 x 2 Corinthians, pela 26ª rodada. Veja quais foram os outros jogos mais vezes paralisados pelo assistente de vídeo.

Jogos com maior número de paralisações para análise do VAR

rodada jogo VAR árbitro VAR videoárbitro Total de paralisações
26 Goiás 2 x 2 Corinthians 1 8 9
14 Botafogo 2 x 1 Athletico-PR 3 4 7
16 Avaí 1 x 1 Corinthians 1 6 7
21 Atlético-MG 1 x 2 Vasco 1 6 7
23 Palmeiras 1 x 1 Atlético-MG 0 7 7
1 Ceará 4 x 0 CSA 2 4 6
14 Palmeiras 2 x 2 Bahia 2 4 6
18 CSA 2 x 0 Chapecoense 0 6 6
36 Avaí 1 x 1 Fluminense 0 6 6

Se na média o campeonato teve uma mudança a cada dois jogos, naturalmente em outros a média foi superada por muito. O recorde de mudanças foi de três, em quatro jogos diferentes, a maioria deles já no segundo turno da competição.

Jogos com maior número de mudanças de decisões pelo VAR

rodada jogo VAR árbitro VAR videoárbitro Total de mudanças
1 Fluminense 0 x 1 Goiás 3 0 3
22 Corinthians 1 x 0 Vasco 1 2 3
24 Cruzeiro 0 x 0 Fluminense 3 0 3
29 Internacional 1 x 1 Athletico-PR 1 2 3

Quanto maior o número de paralisações de uma partida, menor a chance de o tempo consumido pelo VAR ser reposto. Sete partidas tiveram paralisações que superaram dez minutos. Das 14 metades de jogo, em três os acréscimos foram inferiores ao tempo de paralisação e em seis os acréscimos superaram em menos de um minuto o tempo consumido pelo VAR, 64% na soma do primeiro e do segundo tempo.

Jogos paralisados pelo VAR por mais tempo

Rodada Jogo Total de paralisações Tempo de paralisação
14 Botafogo 2 x 1 Athletico-PR 7 14:54
14 Palmeiras 2 x 2 Bahia 6 13:37
29 Internacional 1 x 1 Athletico-PR 5 12:12
26 Goiás 2 x 2 Corinthians 9 11:43
1 Ceará 4 x 0 CSA 6 11:31
1 Fluminense 0 x 1 Goiás 4 10:49
24 Cruzeiro 0 x 0 Fluminense 4 10:01
21 Atlético-MG 1 x 2 Vasco 7 09:27
31 Vasco 1 x 2 Palmeiras 4 09:22
30 Chapecoense 0 x 3 São Paulo 4 09:14

Dos 380 jogos do Brasileirão, 219 tiveram ao menos uma paralisação para consulta ao VAR no primeiro tempo (58%). Desses 219 jogos, em 84 os acréscimos ou foram menores do que o tempo consumido pelo VAR ou menor que um minuto (38%).

No segundo tempo, foram 257 partidas paralisadas para uso do VAR (68%). Desses 257 jogos, em 70 os acréscimos foram menores que o tempo do VAR ou tiveram menos de dois minutos além do que o VAR consumiu (27%), tempo insuficiente para compensar todas as substituições, cartões e demais paralisações.

– A tendência é aumentar ainda mais o tempo de jogo. Hoje, o público em geral não se espanta mais com cinco minutos ou seis minutos de acréscimos. Aumentar ainda mais esse tempo é uma questão didática com os envolvidos com a arbitragem – afirmou Gaciba.

Número de jogos por rodada em que os acréscimos ao final de cada tempo foram menores do que o tempo consumido pelo VAR — Foto: Espião Estatístico

Número de jogos por rodada em que os acréscimos ao final de cada tempo foram menores do que o tempo consumido pelo VAR — Foto: Espião Estatístico

Ao longo da competição, Leonardo Gaciba criou uma metáfora para as equipes de arbitragem compreenderem qual era o nível de intervenção que a entidade buscava.

– A Fifa divulgou que não estavam atrás de formigas, mas sim de elefantes. Aqui no Brasil, não estamos à procura de elefantes, mas sim de baleias azuis (o maior animal do planeta) – disse Gaciba.

Ainda assim, a média de paralisações para análise do VAR aumentou na segunda metade da competição. No primeiro turno, ficou em 18 paralisações de jogo por rodada, marca que subiu para 22 no segundo turno. O que diminuiu ao longo da competição foi a média de tempo consumido pelo VAR.

– O mais importante é que o público tem a percepção de que despencou o número de erros, que o agarra-agarra dentro da área praticamente está extinto do futebol, que a média de faltas baixou em relação à edição do ano passado, que houve queda no número de cartões em relação ao ano passado, principalmente se levado em consideração a punição para comissões técnicas neste ano. A tendência é melhorar. Para um primeiro ano com o VAR no Brasileirão, foi muito bom. Na Inglaterra houve dois anos de treinamentos, mas ao usarem em tempo real, também houve problemas e críticas.

Tempo médio consumido pelo VAR em cada paralisação por rodada — Foto: Espião Estatístico

Tempo médio consumido pelo VAR em cada paralisação por rodada — Foto: Espião Estatístico

*A equipe do Espião Estatístico é formada por: Guilherme Maniaudet, Guilherme Marçal, Leandro Silva, Roberto Maleson, Roberto Teixeira, Valmir Storti e Vitória Azevedo

https://globoesporte.globo.com/futebol/brasileirao-serie-a/noticia/comissao-de-arbitragem-comemora-reducao-de-80percent-nos-erros-capitais-no-brasileirao.ghtml

VAR como testigo…

Libertad y Guaraní, duelo por la Copa Paraguay con el VAR como testigo

Libertad y Guaraní se verán las caras este miércoles en Asunción en la final de la Copa Paraguay, que supondrá el debut del VAR en el fútbol local y una oportunidad para ambos equipos de sellar la temporada con un título.

Guaraní vs. Libertad chocarán en la final de la Copa Paraguay.Foto: Andrés Catalán – Última Hora

El histórico Defensores del Chaco será por tanto el estadio que estrenará la Asistencia por Vídeo al Arbitro (VAR) para su uso a partir del campeonato de 2020, y también el de un duelo que podría dar la segunda Copa a Guaraní.

Los dos conjuntos llegan al choque con el esfuerzo acumulado de un Clausura que está a dos fechas de terminar, y que puede pasar más factura al Gumarelo que al Aborigen.

Y es que Libertad, escolta del Clausura, lo está dando todo para su conquista, pese a los seis puntos que le separan de Olimpia, el líder.

El técnico argentino José Chamot apostó todas sus fichas el pasado domingo para sacar un merecido 3-1 en su visita a Cerro Porteño y con ello seguir manteniendo la esperanza, aunque Olimpia depende de sí mismo para llevarse el Clausura.

Ante Guaraní es posible que Chamot reserve a Antonio Bareiro, el goleador del equipo, aunque sí saldría desde el inicio Óscar Cardozo, la otra baza en ataque.

Los albinegros, que tienen asegurado un lugar en la Libertadores del próximo año, se han plantado en la final de la Copa Paraguay tras eliminar a Sol de América y Sportivo Luqueño, además de a tres equipos de la Intermedia.

Guaraní, vigente campeón tras vencer a Olimpia el pasado año, ha apostado de firme por llevarse su segunda Copa, una vez que quedó descolgado de la pelea por el título del Clausura, donde está en cuarto lugar y ya clasificado para la Sudamericana.

De hecho, el técnico Gustavo Costas dejó fuera del plantel a sus mejores bazas el pasado fin de semana, en el choque que perdió en casa ante Sol de América (0-1)

El central argentino Sergío Aquino y el punta José Ortigoza serían los pilares de Libertad en ataque.

Guaraní encara la final tras deshacerse de Deportivo Capiatá, Deportivo Santaní (2-1) y otros tres conjuntos de las categorías inferiores.

El encuentro por el tercer puesto se disputará este jueves en la ciudad de Itauguá, a 35 kilómetros de Asunción, entre Sol de América y Deportivo Capiatá.

La Copa Paraguay, que reserva al ganador plaza para la Copa Sudamericana del año siguiente, fue instituida el año pasado con el objetivo de promocionar a los clubes inferiores y su antecedente en el pasado se remonta al Torneo República, disputado entre 1976 y 1995.

https://d10.ultimahora.com/libertad-y-guarani-duelo-la-copa-paraguay-el-var-como-testigo-n2858024.html

Debut histórico del VAR…

… en Paraguay

Se confirmó este viernes que la final de la Copa Paraguay se disputará con el respaldo del VAR. Será la primera vez que los árbitros de nuestro país tendrán el respaldo de la tecnología.

El VAR tendrá su debut en el fútbol paraguayo.VAR paraguay

La Divisional Profesional de la Asociación Paraguaya de Fútbol confirmó este viernes que el VAR se usará por primera vez en el fútbol nacional en la final de la segunda edición de la Copa Paraguay.

La gran final será el miércoles 4 de diciembre entre Libertad y Guaraní. Estos equipos de la Primera División se verán las caras en el estadio Defensores del Chaco, a partir de las 19.00.

El Aborigen buscará retener el título obtenido en la primera edición mientras que el Gumarelo va por su primera corona en el segundo torneo en importancia en nuestro país.

Recordemos que desde el 2020, todos los partidos de la División de Honor tendrán el apoyo del Árbitro Asistente de Video (VAR) con la que se buscará disminuir los errores de los jueces.

 

https://d10.ultimahora.com/se-viene-el-debut-historico-del-var-paraguay-n2857353.html

Elizondo defiende el debut del VAR…

… en la Copa Paraguay

Horacio Elizondo, director de árbitros de la APF, defendió el debut del VAR en la final de la Copa Paraguay argumentando que hubo mucho tiempo de preparación.

Horacio Elizondo director de árbitros de la APF.Foto: Raúl Cañete – Última Hora

La final de la Copa Paraguay entre Guaraní y Libertad, este miércoles a las 19.00 en el Defensores del Chaco, tendrá como novedad la utilización por primera vez en el fútbol paraguayo del VAR (video arbitraje).

Horacio Elizondo, director de árbitros de la Asociación Paraguaya de Fútbol, valoró este avance. “Mañana es un día histórico del fútbol paraguayo por la implementación del VAR”, mencionó en charla con Fútbol a lo Grande.

Elizondo destacó que nuestro país será el segundo en Sudamérica en utilizar esta herramienta. “Brasil fue el primero y ahora nos toca a nosotros y debemos sentirnos orgullosos”, destacó.

Sobre el tiempo de preparación para el debut del VAR en el fútbol paraguayo, Elizondo explicó que se llega de la mejor manera. “Esto de ninguna manera será un riesgo porque todos estuvieron trabajando durante meses para la utilización correcta de la herramienta”, detalló.

Por último mencionó que el hecho de utilizar el VAR por primera vez en una final no es un riesgo. “Hicimos una prueba con los árbitros que van a estar en la final de la Copa Paraguay. Es más bien una motivación”, cerró.

https://d10.ultimahora.com/elizondo-defiende-el-debut-del-var-la-copa-paraguay-n2858020.html