Apoio – 2012

Fora da Conaf, Corrêa revela apoio de Marin para combater doença

http://www.gazetaesportiva.net/noticia/2012/09/bastidores/fora-da-conaf-correa-revela-apoio-de-marin-para-combater-doenca.html

Helder Júnior São Paulo (SP)

Sérgio Corrêa não guardou nenhum rancor por ter sido retirado da presidência da Comissão Nacional de Arbitragem (Conaf) por José Maria Marin, há menos de um mês. Ao contrário. Agora responsável pelo recém-criado Departamento de Arbitragem da entidade, ele se aconselhou com o próprio mandatário da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) para combater uma doença motivada pelo estresse que acumulou em sua antiga função.

Nesta entrevista exclusiva para a Gazeta Esportiva.net, Corrêa revelou sofrer de herpes-zóster, virose incurável decorrente de uma variante do vírus da herpes, a mesma que provoca a varicela (a popular catapora). As dores na face já fizeram com que o antigo homem forte da arbitragem nacional desejasse ser atropelado por um caminhão. Segundo ele, seriam também a principal causa da sua saída da Conaf – e não o fato de o assistente Emerson Augusto de Carvalho ter ignorado três impedimentos consecutivos no lance do segundo gol da vitória do Santos sobre o Corinthians, por 3 a 2, em jogo válido pela 18ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Polêmicas como aquela que antecedeu a mudança na Conaf, contudo, não afligem mais Sérgio Corrêa. Com um cargo burocrático dentro da CBF, o ex-oficial da Aeronáutica tem menos preocupações e mais tempo para tratar a sua doença. Ele ainda contesta quem acusa a existência de uma “grande quadrilha” na entidade, porém já saiu de foco. Na última sexta-feira, tirou licença com o intuito de consultar médicos recomendados por José Maria Marin e pelo vice Marco Polo Del Nero, que também comanda a Federação Paulista de Futebol (FPF), antes de viajar a Guaratinguetá (SP) e continuar a organizar um livro de memórias. Cogitou ainda fazer acupuntura e até uma cirurgia, que lhe tiraria a sensibilidade tátil do rosto.

Enquanto Sérgio Corrêa descansa, cuida da saúde e escreve uma espécie de biografia, seu substituto Aristeu Leonardo Tavares trabalha para diminuir os problemas do habitualmente contestado quadro de árbitros da CBF. O coronel da Polícia Militar chegou a declarar que não pretende aproveitar “nada” do trabalho de renovação feito na gestão passada da Conaf – e voltou atrás depois. O que não foi suficiente para abalar o antecessor, orgulhoso por ter contribuído com uma melhora de 30% (de acordo com a sua autoavaliação) da arbitragem brasileira nos últimos anos.

Gazeta Esportiva.net: Como está a sua vida após a mudança de cargo na CBF? Soube que o senhor está escrevendo um livro.

Sérgio Corrêa: Mas não há nada de polêmico neste livro. Fique tranquilo quanto a isso (risos). É uma obra normal, contando a minha trajetória de 30 anos de futebol, rememorando as atuações que tive em lutas sindicais, na arbitragem. Quero aproveitar a minha experiência no meio para mostrar um pouco das diferenças entre cada uma das atividades que exerci. Afinal, vivi o campo de jogo e a área administrativa do esporte. Depois de ser árbitro, pude ver a minha profissão por outro lado, brigando pelo reconhecimento dela, trazendo melhorias para a categoria nos âmbitos estadual, nacional e até internacional. Estou trabalhando novamente com essa parte de administração agora. Você sabia que a Fifa não tinha, até 2010, um regulamento que tratasse de organizar a arbitragem nas suas 208 entidades filiadas? Este regulamento prevê a formação das comissões de arbitragem nos países, com presidente, vice… Dentro de cada comissão, temos questões administrativas em termos de desenvolvimento, com cursos para árbitros, distribuição de materiais didáticos, métodos de avaliação e classificação, instituição de quesitos para definir acessos e descensos de categorias, obtenção de recursos e muitas outras coisas. Também há… Mas espere um pouco. Estou falando demais. Você quem deveria fazer a entrevista, as perguntas, não é?

Ex-mandatário enalteceu as mudanças que promoveu à frente da Conaf, como o estímulo aos testes físicos

GE.net: Fique à vontade para falar. Com tanta empolgação, vejo que o senhor está satisfeito com a nova função que assumiu.

Corrêa: Rapaz… Sempre trabalhei na área administrativa, desde a Força Aérea. Tenho experiência no assunto. Fui sindicalista e gostei tanto dessa parte de gestão que fui adquirindo um conhecimento profundo. A escala de arbitragem para os jogos de futebol é só o resultado final do trabalho realizado pela comissão, que antes tinha tudo centralizado, com uma estrutura mais informal. Mas existe a base técnica para um árbitro se sair bem. Não adianta fugir disso. Sempre enfatizo para o nosso corpo de instrutores de árbitros a importância do trabalho deles. O sucesso de uma escala depende de muitos fatores. Veja: sempre colocamos os dois melhores árbitros do Brasil para o sorteio dos jogos importantes e, às vezes, isso não basta.

GE.net: O senhor se lembra de algum caso emblemático que exemplifique essa situação?

Corrêa: No final de 2009, o Simon (Carlos Eugênio, hoje aposentado) estava muito bem preparado e venceu o sorteio para apitar uma partida entre Fluminense e Palmeiras, decisiva para o Campeonato Brasileiro. O Belluzzo (Luiz Gonzaga, ex-presidente palmeirense) não gostou da atuação da arbitragem e fez um grande escândalo na época, o que até acabou gerando um processo. E olhe que o Simon estava se preparando para ir à terceira Copa do Mundo da carreira! É complicado administrar essas coisas. Em determinada época, os comentaristas reclamavam da grande quantidade de árbitros jovens no Campeonato Brasileiro. Só que ninguém teve a capacidade de observar que todos os nossos árbitros mais conhecidos estavam sendo utilizados nas Eliminatórias para o Mundial. É duro.

GE.net: Imagino que a pressão sobre o presidente da Comissão Nacional de Arbitragem seja tão grande quanto ou maior do que a enfrentada por um árbitro de futebol.

Corrêa: Tudo isso me cansou demais. Nos últimos cinco anos em que me dediquei à comissão, toda a carga de trabalho e a pressão sobre as minhas costas geraram estresse e uma grave enfermidade, de que estou me recuperando aos poucos. Eu queria ter saído antes da presidência. Faz dois anos que eu estava mantendo conversas neste sentido com a direção da CBF, avisando sobre a minha necessidade. Fiquei, inclusive, afastado de 21 de maio a 22 de agosto para me tratar.

GE.net: Desculpe-me pela pergunta, mas qual foi a doença que o senhor contraiu?

Corrêa: Zoster, que vem do mesmo vírus da catapora. Atingiu um nervo da minha face. Não existe muito remédio para isso.

GE.net: Foi o estresse de chefiar a Comissão Nacional de Arbitragem que desencadeou a enfermidade?

Corrêa: Não tenho dúvidas disso. O médico que estava tratando de mim não sabia qual era o meu emprego. Quando contei que administrava a arbitragem brasileira, ele entendeu na hora a causa do problema. O estresse fez isso comigo. Tenho muitas dores do lado esquerdo da face. Sinto um estranhamento até nos cabelos, no globo ocular. É algo constante, que me incomoda 24 horas por dia. Já ouvi dizer que esse tipo de dor é mais forte do que aquela provocada por pedras no rim.

GE.net: Deve ser insuportável, então.

Corrêa: Algumas pessoas cometem suicídio por não aguentar a dor que eu sinto. Não cheguei a esse ponto, mas, nos primeiros dias de doença, juro que tive vontade de me atirar debaixo de um caminhão.

GE.net: A única solução para aliviar o problema era deixar o comando da Comissão Nacional de Arbitragem?

Corrêa: Quando saí da comissão, tirei uma tonelada das minhas costas. Havia também o sacrifício de deixar a minha família em São Paulo, tendo que seguir sempre a ponte aérea para o Rio de Janeiro. Fiz um bom trabalho, gostoso e reconhecido, mas igualmente desgastante. Estou em outra fase da minha carreira agora. As dores na face, no entanto, continuam.

GE.net: O senhor contou que vinha planejando a sua saída há pelo menos dois anos. Mas, ainda assim, não ficou surpreso quando soube da decisão do presidente José Maria Marin em relação à Conaf?

Corrêa: O presidente Marin acompanhou o meu sofrimento. O presidente Ricardo Teixeira também tinha conhecimento do que eu estava e ainda estou passando. Fui levando à frente da comissão durante algum tempo. Por isso, não fiquei surpreso no momento da mudança.

GE.net: A relação com o Marin continua igual?

Corrêa: É claro que sim. O presidente mesmo me indicou um médico da confiança dele para eu me tratar, assim como o Marco Polo Del Nero. Estou arrumando as minhas coisas para entrar de licença novamente agora e quero ir a esses médicos competentes, em São Paulo. Se o tratamento não resolver, talvez eu faça acupuntura ou uma cirurgia neuropática para isolar o nervo afetado. Mas teria a contrapartida: eu ficaria com essa área da face meio que paralisada; levaria um tapa na cara e não sentiria nada, por exemplo. Vamos ver. Estou saindo da minha sala daqui a pouco e vou para a minha cidade, Guaratinguetá, descansar um pouco. Gosto muito de trabalhar, mas, com a dor que estou, é duro. Tomara que eu volte ao batente melhor depois.

GE.net: Mesmo com o Marin ao seu lado, o momento para anunciar a troca de comando não foi inoportuno? Logo após o erro crasso de um assistente no clássico entre Santos e Corinthians…

Corrêa: Vou te confidenciar uma coisa, jovem: era eu quem mais falava para que houvesse uma reformulação. Já havia pedido para ficar afastado, como te disse. Notei que eu estava cansado. O ciclo tinha sido concluído. Estava na hora de fazermos uma substituição, que já vinha sendo adiada. Tudo tem um fim. É como acontece com os técnicos de futebol. Ninguém pode ficar tanto tempo em um cargo. Foi bom mexer na comissão, mesmo trazendo pessoas que já integravam o nosso grupo.

GE.net: O Marin não citou o erro do assistente contra o Corinthians quando conversou com o senhor?

Corrêa: Aquele lance não foi comentado em nenhum momento. Nenhum. Parte da imprensa até pode mencionar o Corinthians, mas não tem nada a ver. Sabemos que houve uma queda de rendimento da arbitragem em dado instante. Mas a conversa com a presidência sempre foi no mais alto nível, tanto com o Ricardo Teixeira quanto com o José Maria Marin. Nunca ninguém nos fez cobranças ou exigências.

GE.net: O fato de as pessoas associarem a sua saída ao gol validado do Santos contra o Corinthians, muitas vezes até de maneira crítica, incomoda o senhor? Ou já está calejado pelo longo tempo de trabalho na CBF?

Corrêa: É claro que a gente fica triste com algumas coisas que escuta aqui e ali. Nós mesmos achamos que podemos dar mais sempre. Mas tudo bem. A vida é assim. Posso ficar repetindo isso durante a vida toda, que ninguém acredita: a CBF é limpa, clara. As pessoas acham que temos uma grande quadrilha lá dentro. Isso não existe. Quem é culpado por uma má arbitragem? A nossa comissão? Os treinadores dos árbitros? O ser humano, que está suscetível ao erro? Posso garantir que, até 2007, as coisas eram muito piores. Não se conhecia a arbitragem brasileira. Fizemos um grande mapeamento do quadro de árbitros e deixamos uma base de trabalho para o novo presidente da comissão.

GE.net: O Aristeu Tavares, seu substituto na comissão, declarou ao jornal Lance! que não pretende tirar proveito de “nada” do processo de renovação da arbitragem que vinha sendo feito pelo senhor.

Corrêa: A declaração não foi bem assim. Devemos interpretar o que ele falou. É claro que a base que deixei pode ser aproveitada. O que o Aristeu quis dizer é que cada um tem as suas convicções. Ele vai conduzir a comissão da maneira dele, e não da minha. Não me envolvo mais no processo. Já foi desgastante o que passei. Chega. Em 2005, quando estava ao lado do Edson Resende, dava vontade de chorar com o que víamos no País. Fizemos um diagnóstico do quadro de arbitragem nacional, e as coisas começaram a mudar. Criamos um plano de carreira para os árbitros. Milhares deles passaram pelo nosso treinamento. Disponibilizamos material didático, que não havia. Intensificamos a preparação física, que já está com 85% de aprovados. Antes, apenas oito federações faziam pré-temporada para seus árbitros. Chegamos a 24. Isso é essencial. Em 1970, o árbitro corria 4 km por jogo. São 12 km hoje em dia, e vai aumentar. Sem falar que, em 2007, tínhamos 96 árbitros com nota inferior a 6 nos testes aplicados. Era um absurdo! Em 2010, esse número caiu para quatro árbitros. Em parceria com as federações, listamos 29 árbitros promissores naquela época, e 75% deles estão aí ainda, trabalhando na Série A. Fizemos a ouvidoria e a corregedoria. É a base que eu mencionei. Tudo isso foi um processo de mudança de mentalidade, lento e necessário. Colocamos o carro para andar. Cabe à nova comissão, mesmo pegando no meio do caminho, dirigir bem. Se quiserem, estou aqui para dar suporte ao projeto.
(Após conceder esta entrevista, Corrêa fez questão de enviar por e-mail uma notícia de um site sobre arbitragem, na qual Aristeu desmentia a declaração sobre o trabalho de renovação de seu predecessor na Conaf.)

GE.net: Como está a renovação do quadro nacional de árbitros?

Corrêa: Felizmente, isso vem sendo feito de modo correto e gradativo. No passado, tínhamos só 5% dos nossos árbitros com menos de 30 anos. Elevamos a quantidade para 20%, depois para 33%, e agora já deve saltar para 42%. Em 2009, diminuímos a idade limite de ingresso de árbitros na CBF para 30 anos. Tomamos medidas amargas para alguns, estando sujeitos a uma diversidade de críticas, mas diminuímos a faixa etária da arbitragem dessa forma. Você sabe como é: sempre existem aqueles papos de não querer mudar algumas coisas que estão estabelecidas.

GE.net: Em suas entrevistas, o Aristeu também tem se posicionado contra o sorteio para definir a escala de arbitragem. O que o senhor pensa a respeito?

Corrêa: Na condição de dirigente de arbitragem, também sou contra o sorteio. Conheço bem a formação de árbitros e sei que há vários meios de analisar essa questão. O árbitro jovem tem mais chances de atuar com o sorteio, entrando de cabeça na profissão. Mas um experiente como o Simon já ficou mais de um mês sem ser escalado por causa disso, perdendo seguidos sorteios. Isso prejudica o ritmo do profissional, o seu investimento. A partir de 2009, minimizamos o problema colocando apenas dois árbitros em cada sorteio, com o sistema de colunas.

GE.net: É possível acabar com os sorteios?

Corrêa: Faz nove anos que o Brasil tem esse sistema. É a legislação. Não podemos ir contra o que está estabelecido. Se você quer mudar alguma coisa, precisa alterar a lei primeiro. Os árbitros já foram várias vezes a Brasília para abordar a questão do sorteio. Existem até correntes que querem todo mundo envolvido no mesmo sorteio. Mas, com um País desse tamanho, como faríamos? É o mesmo raciocínio dos comentaristas, quando falam que deveríamos reunir o quadro de arbitragem inteiro para analisar a rodada durante a semana. Gente, o Brasil é muito grande. Fazemos esse tipo de coisa nos nossos cursos regulares. Fora que existem diferenças regionais, peculiaridades. Acredita que algumas federações já quiseram até criar regras próprias? Um absurdo. Para promover alterações positivas, é preciso pensar, projetar e executar direito.

GE.net: Falando em mudanças, qual é a sua opinião sobre a sempre comentada profissionalização da arbitragem? Seria uma iniciativa válida?

Corrêa: Estou há 30 anos no futebol, e lá atrás já me perguntavam sobre esse tema. É claro que ajudaria um pouco os profissionais, mas quem pagaria a conta por isso? Teríamos, por exemplo, R$ 10 mil de salário para um árbitro, subindo para R$ 20 mil com os encargos trabalhistas. Como faríamos para pagar para 170 árbitros? A despesa da Série B iria de R$ 2,5 milhões para R$ 8 milhões. Isso sem falar nas inviabilidades regionais. São Paulo tem muito mais times na Série A do que outros estados, são dez árbitros internacionais brasileiros… É complicado.

Fernando Dantas/Gazeta Press
Os cinco melhores árbitros do Brasil
A pedido da reportagem, Sérgio Corrêa enumerou aqueles que considera os cinco melhores árbitros do Brasil. “Mas, dessa lista, não faria diferença colocar algum deles um pouco mais para cima ou para baixo. São todos capazes”, ressalvou. Veja a relação feita pelo comandante do Departamento de Arbitragem da CBF:

1º – Wilson Luiz Seneme (Fifa-SP), 42 anos
2º – Leandro Pedro Vuaden (Fifa-RS), 37 anos
3º – Paulo César de Oliveira (Fifa-SP), 38 anos
4º – Héber Roberto Lopes (Fifa-PR), 40 anos
5º – Sandro Meira Ricci (Fifa-PE), 37 anos

GE.net: Dez árbitros com o distintivo da Fifa: é um número razoável?

Corrêa: Esta é uma lamentação da minha gestão na comissão. Eu queria ter 15 árbitros internacionais, e não dez. O Brasil merece isso. Sei que não é possível, que a Fifa tem um trabalho competente para delimitar o porcentual de árbitros internacionais por países. Cheguei a solicitar à Fifa a mudança para 15, mas já sabia que a resposta seria negativa. Se eles abrissem esse precedente para um país, teriam que fazer o mesmo para todos. O mais importante é que os nossos árbitros começaram a entender que deixar o quadro da Fifa não quer dizer o fim do mundo. A gente se acostumou a dizer que o escudo da Fifa não está costurado no uniforme do árbitro; é de velcro. Para mantê-lo, você precisa ter regularidade. É simples. Os grandes árbitros são procurados pela comissão para os grandes jogos, enquanto os outros… Mas todos tiveram as suas oportunidades para mostrar capacidade. Se disserem que não, mostro com números que nunca houve injustiças.

GE.net: Com que outra medida além da profissionalização, menos radical, poderíamos elevar o nível da arbitragem?

Corrêa: As pessoas deveriam esquecer um pouco a figura do árbitro. É a menos importante no futebol. Sei que os comentaristas vivem disso, mas já temos observadores em todos os 700 jogos do Brasil. Nada passa sem que a comissão perceba. Os erros, infelizmente, acontecem. Dizem que os árbitros brasileiros são honestos, mas ruins. Se isso for verdade, prefiro que continuem assim. Você gostaria de ter árbitros bons e desonestos?

GE.net: Com certeza, não. Em termos de qualidade, como você quantificaria a evolução da arbitragem brasileira no seu período à frente da Conaf?

Corrêa: Acho que evoluímos 30%.

GE.net: Está dentro do esperado?

Corrêa: Considero uma evolução significativa. A nova comissão vai pegar tudo o que saiu do padrão, colocar na reta e fazer as correções necessárias. É claro que também erramos. Quem não erra? Mas certamente os acertos foram maiores. O quadro de arbitragem brasileiro agora já é conhecido. Fizemos um histórico de todo mundo, com perfis. Não há mais ninguém escondido. Ou seja, deixamos, sim, uma base. Algumas matérias de jornais se referiram a mim como o único presidente da comissão que saiu por causa de um erro técnico.

GE.net: Noticiaram de forma equivocada? O principal motivo da sua saída não foi a doença?

Corrêa: Mas essa questão da razão também não importa! Tive boa-fé, assim como as pessoas que estão entrando agora, que são capazes e corretas. Isso é o que vale. Vamos em frente. Se não fui um presidente tão bom como queriam, ao menos dedicação nunca faltou. A prova disso ficou encravada no meu rosto, nas dores que sinto.

Renovação do quadro de árbitros foi destacada em relatório da Conaf
O relatório elaborado por Sérgio Corrêa sobre os resultados alcançados pela Conaf na temporada passada destacou principalmente a preparação de árbitros promissores através de cursos (como o da foto acima, realizado em abril de 2011) e outros métodos. O então presidente da entidade reconheceu a existência de “reclamações naturais” decorrentes do processo de renovação, porém enalteceu a confiança no sucesso dos novatos sob a supervisão de José Maria Marin, presidente da CBF. Confira:

“Mesmo com o elevado número de cursos de aprimoramentos intensivos, a Comissão de Arbitragem enfrentou sérias dificuldades, pois realizou uma das maiores renovações da arbitragem nos últimos 12 anos (35%) dentre aqueles que atuavam na quarta maior competição do planeta.

Esta inversão de qualidade (árbitros novos x jogos decisivos) ocasionou as reclamações naturais contra a arbitragem, todavia a Comissão de Arbitragem acredita que o número de árbitros disponíveis para a principal competição mundial se elevou e, em 2012, a tendência é de melhoria, pois os “novatos” já são “conhecidos” e irão atuar com mais força nas competições estaduais e, por consequência, no Brasileiro.

Desta forma, a Comissão de Arbitragem poderá preparar a terceira geração de árbitros, sem que estes sejam promovidos com baixo número de atuações nas Séries B, C e D, como ocorreu em anos anteriores.

Em que pese a responsabilidade maior recair sobre as Federações que formam árbitros, a Comissão de Arbitragem da CBF afirma categoricamente que a principal mudança para evolução da arbitragem brasileira não é somente no investimento, mas na mudança de cultura que está sendo implementada pelas diretrizes determinadas pelo presidente Ricardo Teixeira e que certamente terá prosseguimento com o doutor José Maria Marin, cuja Federação a qual presidiu é uma das que mais investem no aprimoramento da arbitragem”.

 
        O que é a herpes-zóster
Popularmente chamado de “cobrão” ou “cobreiro”, a herpes-zóster (também conhecida como zoster e zolster) é uma virose provocada pelo vírus varicela-zóster, o mesmo da varicela (catapora). A doença é de incidência rara e gera afecções na pele, geralmente atingindo pessoas com baixa defesa imunológica, aquelas que sofrem de estresse ou os pacientes de AIDS.

O vírus da varicela-zóster costuma permanecer dormente, manifestando-se em cerca de apenas 20% da população. Na maioria dos acometidos, continua incubado no interior de gânglios do sistema nervoso. Quando o sistema imunológico está debilitado, ocorre a deflagração da enfermidade.

A herpes-zóster pode causar lesões discretas ou numerosas, com formações de vesículas (bolhas) na pele, mas jamais ultrapassa a linha média que divide o corpo em lados direito e esquerdo. Se a doença acomete a face (como ocorreu com Sérgio Corrêa), pode comprometer os nervos que vão para o olho e provocar ceratite, uma inflamação da córnea.

Os primeiros sintomas da herpes-zóster são formigamento e dores na região onde aparecerão as lesões, além de indisposição e febre baixa em algumas situações. As bolhas surgem depois, gerando um incômodo ainda mais forte e até pontadas e coceira. As sensações costumam ser brandas entre crianças e jovens infectados, com duração inferior a um mês; porém, em pessoas de idade mais avançada, o problema pode se prolongar por anos.

Os pacientes que persistem com dor após a manifestação da herpes-zóster tem a chamada neuralgia pós-herpética, que ocorre em aproximadamente 14% dos casos – na maior parte deles, com pessoas com idade acima de 60 anos.

O tratamento da herpes-zóster se dá basicamente através de antivirais. A transmissão da doença acontece com o contato com as secreções contidas nas vesículas, assim como na varicela e no herpes simples, e é facilitada quando a pessoa receptora está com baixa imunologia.

Autor: Sérgio Corrêa

Árbitro na Federação Paulista de Futebol (1981-2001) e da Confederação Brasileira de Futebol (1989 a 2001); Ocupou cargos administrativos nos sindicatos entre 1990-93 e 1996-03, Eleito e reeleito presidente para dois mandatos: o primeiro compreendido entre 03/02/2003 a 08/04/207 e o segundo, de 09/04/2007 a 08/04/2011. Deixou a função para assumir a presidência da CA-CBF. Pela Associação Nacional dos Árbitros de Futebol ocupou os cargos de secretário-geral, entre 25/10/1997 e 13/05/2003. Já, na Comissão de Arbitragem, foi secretário-geral entre 25/10/2005 e 06/08/2007. Nomeado presidente da CA-CBF em duas oportunidades, a primeira entre 07/08/2007 a 22/08/2012, a segunda, de 13/05/2014 a 28/09/2016. Também foi diretor-presidente da Escola Nacional de Arbitragem de Futebol, entre 07/01/2013 a 12/05/2014. Atualmente, continua chefiando o DA (desde 22/08/12) e lidera o projeto de árbitro assistente de vídeo, nomeado junto a FIFA desde 15/09/2015.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s