AAV: Mais dois passos…

#reportagem: Arbitragem de vídeo dá mais dois passos importantes no futebol. Um deles no Brasil

A arbitragem de vídeo está ganhando espaço no futebol em ritmo muito acelerado, para desgosto de quem ainda torce o nariz para ela – e não é pouca gente. Nesta semana, duas notícias reforçaram a sensação de que o uso da tecnologia para ajudar os árbitros é um caminho sem volta no esporte mais popular do mundo: a final do Campeonato Pernambucano, neste fim de semana, terá o primeiro teste oficial do novo sistema no Brasil e o Campeonato Português adotará a arbitragem de vídeo em definitivo na próxima temporada.

O jogo entre Sport e Salgueiro, domingo, na Ilha do Retiro, será histórico para o futebol brasileiro. Pela primeira vez uma partida oficial contará com o que a Fifa chama de VAR (árbitro auxiliar de vídeo, na sigla em inglês), que consiste no seguinte: em uma cabine instalada nas proximidades do estádio, um árbitro tem à sua disposição vários monitores de tevê com imagens da partida em diversos ângulos. Ele fica em comunicação direta com o juiz da partida, e tem a missão de avisá-lo sempre que este se equivocar em uma decisão, ou quando algo importante escapar à sua visão.

O uso do VAR no Recife será feito em caráter de teste, e terá a supervisão do International Board, órgão que é o guardião das regras do futebol. Segundo a CBF, a utilização da tecnologia seguirá o lema “mínima interferência, máximo benefício”, que, na prática, significa que o árbitro de vídeo deverá entrar em ação apenas em lances que possam mudar o rumo da partida, como um pênalti, um impedimento ou uma expulsão. Exemplo: o juiz marca um pênalti e o árbitro de vídeo, ao rever a jogada em vários ângulos, conclui que não houve a falta. Em seguida, o juiz é informado de seu equívoco e anula a marcação.

É um sistema bem diferente do que é aplicado em outros esportes, como tênis, vôlei e futebol americano, em que um jogador ou um técnico pede a revisão de uma jogada duvidosa. A aposta do International Board é que no futebol a tecnologia será usada de maneira mais ágil, sem quebrar demais o ritmo do jogo.

PORTUGAL ADIANTADO

Em matéria de tecnologia de arbitragem, Portugal está um passo adiante do Brasil – e de quase todos os demais países da Europa, onde o sistema só é usado atualmente na Holanda. Na próxima temporada, o Campeonato Português terá o VAR em todas as suas 306 partidas, ao custo total de aproximadamente 600 mil euros (R$ 2,1 milhões).

Em cada jogo, haverá um caminhão nas proximidades do estádio com uma cabine cheia de monitores, onde vai trabalhar o árbitro responsável pelo VAR. A ideia da Federação Portuguesa de Futebol é ter uma central de vídeo em sua sede, um moderno complexo inaugurado nas proximidades de Lisboa há dois anos. É assim que funciona nas principais ligas dos Estados Unidos. Para isso, no entanto, será necessário que todos os estádios do país possuam fibra ótica, o que ainda vai demorar um pouco para ocorrer.

O mecanismo será o mesmo do teste deste fim de semana em Pernambuco, também seguindo o lema do “mínima interferência, máximo benefício”. Segundo o árbitro português Hugo Miguel, que recentemente apitou um jogo em que o VAR foi usado (entre as seleções sub-21 de Itália e Dinamarca), seus colegas não têm motivos para temer a novidade. “Foi uma maior confiança saber que havia alguém observando o jogo e que a qualquer momento poderia me dar informações úteis, que teriam impacto decisivo sobre a partida”, relatou Miguel. “Sempre que o árbitro de vídeo falar, a prioridade deve ser dada a ele, pois o árbitro pode confiar nas informações que recebe. Mas o árbitro também pode consultar as imagens no campo.”

Em vídeo divulgado pela Federação Portuguesa de Futebol, o árbitro Hugo Miguel explica o funcionamento do VAR

http://chuteirafc.cartacapital.com.br/reportagem-arbitragem-de-video-brasil/

 

Autor: Sérgio Corrêa

Árbitro na Federação Paulista de Futebol (1981-2001) e da Confederação Brasileira de Futebol (1989 a 2001); Ocupou cargos administrativos nos sindicatos entre 1990-93 e 1996-03, Eleito e reeleito presidente para dois mandatos: o primeiro compreendido entre 03/02/2003 a 08/04/207 e o segundo, de 09/04/2007 a 08/04/2011. Deixou a função para assumir a presidência da CA-CBF. Pela Associação Nacional dos Árbitros de Futebol ocupou os cargos de secretário-geral, entre 25/10/1997 e 13/05/2003. Já, na Comissão de Arbitragem, foi secretário-geral entre 25/10/2005 e 06/08/2007. Nomeado presidente da CA-CBF em duas oportunidades, a primeira entre 07/08/2007 a 22/08/2012, a segunda, de 13/05/2014 a 28/09/2016. Também foi diretor-presidente da Escola Nacional de Arbitragem de Futebol, entre 07/01/2013 a 12/05/2014. Atualmente, continua chefiando o DA (desde 22/08/12) e lidera o projeto de árbitro assistente de vídeo, nomeado junto a FIFA desde 15/09/2015.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s