The Future of Football

https://pt.besoccer.com/noticia/the-future-of-football-os-numeros-que-comprovam-o-sucesso-do-var-399632

Gonçalo Santos 

por Gonçalo Santos  @besoccer_pt – 0 1,768

Vídeo-árbitro está a ser bem aceite no mundo do futebol, e os dados oficiais, relativos aos seus primeiros meses no ativo, parecem explicar porquê.

Nos últimos dias 21 e 22 de março, realizou-se, no Pavilhão João Rocha, em Lisboa, o congresso The Future of Football, organizado pelo Sporting CP.

Nesta quarta edição do evento, na qual a ‘BeSoccer’ esteve presente, um dos painéis mais interessantes foi o relativo ao vídeo-árbitro (VAR), que contou com as participações de Greg Barkey, diretor técnico de competição da Major League Soccer (MLS)Florian Göette, responsável pela arbitragem da BundesligaJosé Fontelas Gomes, presidente do Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e Lukas Brud, CEO da International Football Association Board (IFAB), num debate que foi moderado pelo antigo árbitro inglês Keith Hackett.

VAR passa nos primeiros testes

Os dois primeiros relataram a experiência do VAR nos seus respectivos cameponatos, e apresentaram dados que serviram para comprovar que, ao contrário do que muitos dizem, este sistema de auxílio às equipas de arbitragem não prejudica, em nada, a fluidez de um encontro de futebol. Afinal, os árbitros só acabam por verificar um lance a cada três jogos. Até porque nem todos os lances levam a que o encontro esteja parado, o que só acontece em situações de golos, penáltis, cartões vermelhos diretos e identidades de jogadores trocadas.

Além disso, no campeonato alemão cada interrupção causada pelo VAR demora apenas, em média, um minuto. Na verdade, desde a implementação do sistema que o tempo de jogo líquido cresceu, precisamente, um minuto; ou seja, na verdade, o jogo em si até tem sido beneficiado pelo vídeo-árbitro. Substituições, bolas paradas ou assistências médicas em casos de lesão são apenas alguns exemplos de situações que afetam mais um encontro que uma paragem devido ao VAR.

Ver imagem no TwitterVer imagem no Twitter

Gonçalo Santos@GoncalobtSantos

Florian Göette, responsável pela arbitragem da @Bundesliga_DE, revelou, no evento The Future of Football (@TFOFCongress), que o VAR não está a prejudicar a fluidez dos jogos.

Depois, foi a vez de José Fontelas Gomes, da FPF, entrar em cena, ele que ficou encarregue de apresentar a situação em Portugal E os números também parecem animadores.

De acordo com os dados apresentados, relativos até à jornada 22 da atual Liga NOS e a igual período da temporada passada, o número tanto de cartões amarelos, como de faltas diminuiu, ainda que se tenha verificado o contrário em relação a cartões amarelos, foras de jogo e penáltis e golos. As assistências nos estádios também aumenataram com a implementação do VAR.

“Existem menos faltas, mais golos, mais espetáculo e mais adeptos nos estádios, assim como mais situações de expulsão detetadas e mais capacidade para se analisarem situações de penálti e fora de jogo”, salientou o dirigente português.

Ver imagem no TwitterVer imagem no Twitter

Gonçalo Santos@GoncalobtSantos

Neste primeiro dia do The Future of Football (@TFOFCongress) José Fontelas Gomes, presidente do Conselho de Arbitragem da FPF, deu conta das vantagens que o VAR veio proporcionar desde que foi implementado na @LigaPortugal.

Por fim, Lukas Brud, o último a discursar neste painel, deu conta de um dado estatístico bastante simples, mas que serve para comprovar o impacto inicial postivo do VAR na perfeição:
sem o vídeo-árbitro, a taxa de acertos dos juizes rondava os 93%, tendo aumentado para os 98% nos países que já introduziram o sistema nos seus campeonatos.

Coisas a melhorar

No entanto, e para que o VAR funcione na perfeição, é necessário ter profissionais capazes e preparados para realizarem este tipo de trabalho.

“O árbitro [que está na sala do VAR a ver os lances] tem de ser um de topo, alguém calmo e que não pode entrar em stress. Há muitos que entram em pânico com tanta tecnologia. Os mais jovens adoram, estão habituados à tecnologia, mas nem todos têm capacidades para serem video-árbitro. Não podemos rever todas as jogadas sucessivamente, temos de nos cingir às mais importantesA duração da verificação não pode ser muito longa. Se demora, é porque a decisão não tem erros… Não podemos ser demasiados minuciosos na procura das faltas. Vamos continuar a ter erros e temos de perceber que vão continuar a existir. Só queremos reduzir o número de erros. Nos EUA, temos uma nova filosofia: não vamos interferir no jogo se o árbitro tiver condições para decidir” sublinhou Greg Barkey.

A aceitação dos adeptos

Fulcral nestes primeiros tempos de vida do vídeo-árbitro é a aceitação daqueles que acompanham o futebol diaremente. Essa foi, de resto, uma das questões que ganhou mais importância neste debate.

Florian Göette está a satisfeito com os resultados do VAR na Bundesliga, mas sabe que ainda é preciso ganhar confiança junto dos adeptos para que as coisas possam funcionar ainda melhor.

E, para o dirigente alemão, uma das formas de consegui-lo passa por utilizar os ecrãs gigantes dos estádios para mostrar às pessoas presentes nos recintos o que se está a passar, o porquê de o árbitro ter recorrido (ou não) ao VAR em determinado lance, seja com imagens um com pequeno textos descritivos.

A FIFA já confia no VAR

No fundo, e apesar das melhorias que ainda têm de existir, o VAR está a dar frutos nos sítios onde já foi experimentado. Talvez seja por isso que a FIFA já o adotou para o Mundial deste ano, e que outras competições importantes, como a LaLiga, irão começar a utilizá-lo a partir da próxima época.

Autor: Sérgio Corrêa

Árbitro na Federação Paulista de Futebol (1981-2001) e da Confederação Brasileira de Futebol (1989 a 2001); Ocupou cargos administrativos nos sindicatos entre 1990-93 e 1996-03, Eleito e reeleito presidente para dois mandatos: o primeiro compreendido entre 03/02/2003 a 08/04/207 e o segundo, de 09/04/2007 a 08/04/2011. Deixou a função para assumir a presidência da CA-CBF. Pela Associação Nacional dos Árbitros de Futebol ocupou os cargos de secretário-geral, entre 25/10/1997 e 13/05/2003. Já, na Comissão de Arbitragem, foi secretário-geral entre 25/10/2005 e 06/08/2007. Nomeado presidente da CA-CBF em duas oportunidades, a primeira entre 07/08/2007 a 22/08/2012, a segunda, de 13/05/2014 a 28/09/2016. Também foi diretor-presidente da Escola Nacional de Arbitragem de Futebol, entre 07/01/2013 a 12/05/2014. Atualmente, continua chefiando o DA (desde 22/08/12) e lidera o projeto de árbitro assistente de vídeo, nomeado junto a FIFA desde 15/09/2015.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s